Abril contabilizou 196,43 casos por 100 mil, mas em maio, caíram para 123,52 por 100 mil

 

            grafico dengueO mês de maior incidência foi abril com 7.901 casos, seguido por março com 5.933 e, em maio, com 4.968 casos. Com exceção de fevereiro e junho, que tiveram em torno de 1.500 casos, nos demais meses do ano foram registrados menos de 700 casos/mês.

            "O coeficiente de incidência da dengue por 100 mil habitantes foi bastante elevado. O mês de abril contabilizou 196,43 casos por 100 mil, mas já em maio caiu consideravelmente para 123,52 por 100 mil", ressaltam os analistas de Inteligência em Saúde da Orizon, Barbara de Lima Pereira e Rafael Oliveira Ramos.

            A faixa etária com a maior incidência da dengue estava entre 30 e 34 anos, seguida de 25 e 29 anos e de 0 e 19 anos, em terceiro lugar. Como o vírus não tem um tratamento específico para ser combatido, o consumo de medicamentos é apenas para aliviar os sintomas. Os quatro princípios ativos mais consumidos em 2015 foram: dipirona (14%), dimenidrinato + piridoxina (4%), cetoprofeno (4%) e paracetamol (4%).

    A Orizon oferece, para as empresas, consultoria em Economia da Saúde e levantamentos, como este sobre a dengue, que podem fundamentar avaliações e direcionamento de investimentos em prevenção. Os estudos em fármaco-economia são elaborados com base no maior banco de dados da saúde suplementar do país, que contempla 18 milhões de vidas. Os trabalhos da Orizon têm reconhecimento internacional da ISPOR (Intenational Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research), o maior fórum mundial fármaco-econômico do mundo. Nas edições dos últimos três anos, a Orizon teve 10 estudos apresentados.

 

Sobre a Orizon

                A Orizon trabalha há mais de 15 anos para simplificar o setor da saúde, gerando mais eficiência e resultados para os clientes através de suas soluções em: Transformação de Processos, Conectividade, Benefícios em Saúde e Inteligência em Saúde.

                Hoje, um em cada três usuários do sistema de saúde privado se beneficia com as soluções da Orizon. São mais de 18 milhões de pessoas, conectadas a 130 mil prestadores e mais de 10.000 farmácias, efetuando uma média de 140 milhões de transações por ano. Além disso, são processados mais de 40 milhões de sinistros e contas médicas neste mesmo período, trazendo importante ganho operacional para os clientes. 

                Devido a esse grande volume de dados, a Orizon é capaz de gerar informações estratégicas para o mercado e assim auxiliar na tomada de decisão das empresas e agregar valor na gestão de saúde da população do país.