Pedro Muffato encerra carreira nas pistas e recebe homenagem especial



Pedro Muffato

Pedro Muffato

Durou exatamente 50 anos e uma semana a carreira de Pedro Muffato no automobilismo. O piloto paranaense de 76 anos, que disputou sua primeira corrida numa pista de rua de terra em Cascavel no dia 4 de dezembro de 1966, participou no último dia 11/12, sob chuva, de uma prova promocional com os carros da categoria C250 Cup do Mercedes-Benz Challenge no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, São Paulo.

A corrida, realizada em caráter extracampeonato, foi iniciativa da equipe Center Bus-Sambaíba que confrontou grandes nomes do automobilismo em ato de celebração aos 60 anos da Mercedes-Benz no Brasil. Além de Muffato, que terminou a disputa em segundo lugar, participaram Ângelo Giombelli, outro piloto de Cascavel, que conquistou a vitória, Alencar Júnior, Maurício Slaviero, Beto Richa, Zeca Monteiro e Paulo Gomes.

A promoção da Center Bus-Sambaíba em Interlagos somou-se à série de atividades que celebram os 60 anos da Mercedes-Benz no Brasil. “Acho que fiz, enfim, a minha última corrida. Choveu muito durante a corrida, aquilo era água benta, abençoando o tempo em que eu corri”, discursou Muffato. “Sempre fiz automobilismo para mim e para o automobilismo, para poder ver coisas maravilhosas como a Stock Car, que foi construída com muito trabalho”.

TROFÉU PEDRO MUFFATO
Na noite de segunda-feira (12) Pedro Muffato participou em São Paulo da cerimônia de premiação aos campeões das cinco categorias promovidas pela Vicar e recebeu uma homenagem especial. “Sou muito grato a todos que participaram desta iniciativa. Esse momento é um privilégio para mim, me sinto muito emocionado. Se encerrar uma carreira de 50 anos traz algo tão bom, vou correr mais 50 anos para passar por isso de novo”, brincou.

A homenagem prestada ao piloto paranaense contemplou, também, uma premiação inédita: a instituição do Troféu Pedro Muffato, destinado à revelação mais positiva da temporada da Stock Car. O próprio Muffato entregou o troféu ao argentino Nestor “Bepu” Girolami, que disputou a temporada pela Eisenbahn Racing. “A categoria é fantástica. No ano que vem vou participar do Mundial de Turismo, mas prometo voltar à Stock Car”, explanou o argentino.

Muffato teve forte envolvimento com o automobilismo da Argentina nos anos em que competiu e construiu carros para os campeonatos sul-americanos de Fórmula 2 e Fórmula 3. Coube a ele, na solenidade que a Vicar promoveu na noite de segunda-feira, a entrega dos troféus aos campeões de 2016 da Fórmula 3 Brasil. Matheus Iorio, de São Paulo, foi campeão da categoria A. Pedro Caland, de Brasília, conquistou o título da classe Light.

EB – www.autoracing.com.br

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que contenham ofensas não serão aprovados pelo moderador.



Retirado do site AutoRacing.com.br