O torcedor do Sevilla não quer jogo bonito. Quer conquistar | ESPN FC


Getty Images

Getty Images

Torcedor se acostumou a conquistar e vai ser difícil alternar

Simples como descrito no título do texto: o torcedor do Sevilla quer conquistar e conquistar e conquistar e conquistar e conquistar. Não se importa com jogo bonito. Nunca se importou. O melhor Sevilla da história era uma máquina de conquistar. E também jogava bem. Foi um time que recebeu 5 títulos em 15 meses, fez história e deixou o torcedor completamente apaixonado. E jogando bem. Pode acontecer.

Mas entre jogar bonito e não conquistar nada e jogar sem dar espetáculo e conquistar, o torcedor do Sevilla prefere o segundo. E como prefere! É só ver como conquistamos algumas Europa League: teoricamente sem merecer, com Coke como meia armador, com Palop fazendo gol de cabeça aos 50 do segundo tempo, com Gameiro chutando um pênalti com o joelho todo arrasado, após de o Sevilla tomar pressão do Benfica o jogo todo. O torcedor do Sevilla não se importa.

O torcedor do Sevilla quer conquistar, não quer saber de jogo diferente. O estilo de jogo do Sevilla atual pode ser atraente para quem vê de fora. Pro torcedor do Sevilla, tanto faz. Desde que o time ganhe. Na verdade, talvez todo torcedor seja assim. Mas no caso do Sevilla talvez seja mais.

Não importa se o time joga no contra-ataque, se atua com 3 zagueiros, com Krychowiak, M’Bia ou com Rakitic e Banega. O torcedor do Sevilla quer conquistar, não quer saber muito de métodos revolucionários ou de invenções. 

Pode ser atraso? Talvez seja, talvez não. Fato é que a análise é bastante objetiva. Talvez exista espaço para experiências no futebol de elite, talvez não. Fato é que os resultados condicionam as análises. E o Sevilla atual precisa de grandes resultados para se sustentar. Este é o maior orçamento da história e deve ser bem aproveitado, ainda mais porque só restou a Liga. 

Que venham as vitórias.



Fonte: ESPN.com.br