Menino que ‘mudou de sexo’ aos 12 anos Diz que Está Arrependido



Agora com 14 anos, Patrick Mitchell falou que estar arrependido de ter dado inicio ao processo de transição, que incluiu tratamentos hormonais.

Um aprendiz australiano que decidiu trasladar de genitália para se modificar uma menina, disse que esta arrependido, dois anos posteriormente de ter se submetido ao procedimento de mutação (que incluiu tratamentos hormonais e poderia evolucionar para uma cirurgia definitiva).

Com unicamente 12 anos de idade, Patrick Mitchell implorou a sua mãe para inaugurar a beber hormônios de estrogênio, posteriormente que os médicos o diagnosticaram com disforia de gênero – uma exigência em que a pessoa apresenta certa desordem com semelhança ao seu gênero (masculino ou feminino)

“Você deseja trasladar tudo a-respeito-de você, você vê qualquer garota e diz que seria capaz de massacrar para ficar daquele jeito”, disse Mitchell ao site ’60 Minutes’ a-respeito-de o que sentia na época em que quis trasladar de sexo.

Depois de ouvir aos conselhos de ‘profissionais’ que sugeriram que ouvir ao petição do menino “era a escolha certa”, sua mãe autorizou que o menino iniciasse o procedimento de transição.

Ele deixou seu cabelo crescer e começou a beber hormônios, o que fez com que nascessem seios em seu corpo. Mas dois anos depois, Mitchell se arrependeu de sua decisão.

No começo de 2017, os professores da escola começaram a se referir a ele como uma menina, precisamente o que levou Mitchell a discutir se ele igualmente havia tomado a coragem certa.

“Comecei a entender que eu realmente estava me sentindo confortável no meu corpo”, disse ele ao site ‘Now To Love’.

Como consequência de seu arrependimento, Mitchell confiou em sua mãe e explicou que queria reverter a transição para regressar a ser um menino.

“Ele me olhou nos olhos e disse: ‘Não tenho certeza de que eu sou uma menina”, explicou a mãe do garoto.

Agora, em uma tentativa de remodificar ao seu corpo original, ele parou de beber os hormônios femininos e esta prestes a atravessar por outras cirurgias que irão afastar o exagero de tecido mamário.

Embora a disforia de gênero seja um desajuste considerado raro, o numero de pessoas que estão sendo diagnosticadas com a exigência esta aumentando, devido ao progressivo apelo publico, exposto na mídia e nas escolas por militantes que tentam estabelecer a ideologia de gênero.

Diagnostico precoce

Segundo a psicologa paranaense e perito em Direitos Humanos, Marisa Lobo, o acontecimento de Mitchell e um modelo evidente de um reconhecimento prematuro e inconsequente, que desencadeou efeitos catastróficos na vida do garoto.

“Como especialista devo alertar, conflito de gosto particular e de identidade na infância e adolescência. Não pode ser promovido e compreendido como Disforia de Gênero a análise e demorada e complexa. Uma criança não pode ser condenada por um adulto a uma sentença que pode prejudica-la pelo restante da vida. Essas questões devem ser conduzidas com muito zelo e responsabilidade. Infelizmente não e o que tem acontecido. Por ativismo ideológico politico estamos criando crianças trans. Isso e gravíssimo”, alertou ela.

“Tenho muita preocupação com esses diagnósticos prematuros, diversos profissionais tem sido corrompidos e pressionados a dar uma resposta a esse ativismo da variedade sexual e estão condenando crianças a um conflito psíquico doloroso. Uma dor que poderia ser evitada com ética e não com ativismo”, explicou.

Marisa destacou que os conflitos vivenciados por Mitchel já aos 12 anos de idade – e a ausência de orientação da mãe do m