O exército de mulheres que denunciou o assédio de um ‘gigante’ de Hollywood


Dezenas de mulheres resolveram quebrar anos de silêncio e apresentaram denúncias de agressão sexual e assédio contra o famoso produtor de cinema Harvey Weinstein.

As vozes dessas mulheres foram amplificadas por reportagens publicadas no New York Times e The New Yorker em que detalharam todas as acusações.

Nos depoimentos é possível observar padrões de abuso por parte do produtor, incluindo convidar as mulheres para salas privadas, obrigá-las a fazer massagens ou assisti-lo a se masturbar. Em algumas situações, ele igualmente estuprou as atrizes.

Conheça algumas dessas mulheres e o que denunciam cada uma delas:

Ashley Judd disse em entrevista a New York Times que Harvey Weinstein a convidou para o quarto do hotel e perguntou se ele poderia dar uma massagem ou se ela queria vê-lo tomar banho. Ela disse ao Times que ela só pensava: “Como eu posso sair daqui o mais rápido possível sem que Harvey Weinstein me note?”.





Ao New York Times, Gwyneth Paltrow disse que Weinstein a tocou de forma inadequada.”Eu era uma criança, eu estava sem reação, estava petrificada”, disse. Weinstein descobriu que ela havia contado o caso para o seu namorado da época, Brad Pitt: “Eu pensei que ele iria me despedir”.





“Tive uma experiência ruim com Harvey Weinstein na minha juventude e, como resultado, escolhi nunca mais trabalhar com ele e avisar os outros do que ele era capaz quando pensavam em trabalhar em suas produções”, disse Angelina Jolie ao New York Times. “Esse comportamento em relação a mulheres em qualquer mercado ou em qualquer país é inaceitável”.





Em entrevista a Variety, Kate Winslet disse que já tinha ouvido rumores sobre o comportamento de Weinstein há anos. “Eu esperava que esse tipo de história fosse apenas rumores, talvez todos nós fossemos ingênuos”, disse ela. “E isso me deixa tão brava. Não deve existir tolerância com este tratamento degradante e vil que as mulheres recebem em qualquer local de trabalho ou em qualquer parte do mundo”.

Meryl Streep disse a HuffPost que as mulheres que falaram sobre o comportamento de Weinstein são “heroínas”.”As notícias vergonhosas sobre Harvey Weinstein tem frustrado aqueles de nós cujo trabalho ele defendeu, e aqueles cujas causas boas e dignas ele apoiou”, disse ela em um comunicado.





Rose McGowan tem falado sobre o escândalo desde que o New York Times publicou suas notícias-bombas sobre os comportamentos de Weinstein. McGowan, de acordo com o Times, foi uma das várias mulheres com quem Weinstein chegou a um acordo financeiro após o suposto abuso.

Depois que a Weinstein Company demitiu Harvey, a atriz pediu para o resto do conselho do estúdio se demitisse. “Eles sabiam”, disse ela em um tweet. “Eles financiaram. Eles aconselharam. Eles cobriram. Eles devem ser expostos. Eles devem se demitir”.





Lena Dunham escreveu um artigo para o New York Times pedindo que mais homens falassem sobre o caso de Weinstein e outros como o dele.

“O abuso, as ameaças e a coerção têm sido a norma para tantas mulheres que tentam fazer negócios ou fazer arte”, escreveu ela. “O Sr. Weinstein pode ser o homem mais poderoso em Hollywood e foi revelado como um predador, mas ele certamente ele não é o único que foi autorizado a correr selvagem. Seu comportamento, silenciosamente camuflado por décadas por seus funcionários e colaboradores, é um microcosmo do que aconteceu em Hollywood desde sempre e de como o assédio no local de trabalho se parece em todos os lugares”.





Jennifer Lawrence ganhou um Academy Award pelo filme O Lado Bom da Vida, distribuído pela The Weinstein Company. Ela considerou as denúncias de assédio como “inexcusáveis e absolutamente perturbadoras”.

“Trabalhei com Harvey há cinco anos e não experimentei qualquer tipo de assédio pessoalmente, nem sabia sobre nenhuma dessas denúncias. Esse tipo de abuso é inexcusável e absolutamente perturbador”, afirmou Lawrence em um comunicado. “Meu coração vai para todas as mulheres afetadas por essas ações grosseiras. E quero agradecê-las por sua bravura ao terem falado sobre isso”.





Weinstein era um grande apoiador do Partido Democrata, tendo doado ou arrecadado dinheiro para uma série de candidatos, inclusive Hillary Clinton.

Clinton disse que “ficou chocada e consternada com as revelações sobre Harvey Weinstein. O comportamento descrito pelas mulheres não pode ser tolerado. A coragem delas e o apoio dos outros é fundamental para ajudar a parar esse tipo de comportamento”.





Judi Dench igualmente se surpreendeu com as denúncias de abuso: “Embora não tenha dúvidas de que Harvey Weinstein ajudou e defendeu minha carreir