Tempo Festival ocupa o Teatro Municipal; veja programação


O Tempo Festival faz uma ocupação inédita do Teatro Municipal.

Veja a programação dos próximos dias:

Sex e sáb:

“A tragédia e a comédia

Projeto de Felipe Hirsch, com elenco de artistas chilenos, argentinos e atores brasileiros como Julia Lemmertz e Caco Ciocler. Estruturado a partir de textos de diversos autores de 9 países latino-americanos e do cenário sócio-político do continente, o espetáculo conta com os seis integrantes do grupo Ultralíricos Arkestra, que vão executar ao vivo a música escrita e arranjada para o projeto por Arthur de Faria.

Peças ocupam o Teatro Municipal no Tempo Festival

  • ‘A tragédia e a comédia latino-americana’, de Felipe Hirsch com o grupo UltralíricosFoto: Patricia Cividanes / Patricia Cividanes

  • Lázaro Ramos vive Iago, de ‘Otelo’, de Shakespeare, em ‘Ato e efeito’Foto: Rodrigo Rodrigues Castro / Rodrigo Rodrigues Castro

  • ‘Brasil em casa — Home visit Rio de Janeiro’, de Helgard Haug, Stefan Kaegi e Daniel WetzelFoto: Elisa Mendes / Elisa Mendes

  • ‘Aquilo que eu mais temia desabou sobre a minha cabeça’, de Pedro Kosovski e Sjaron MinailoFoto: Divulgação / Divulgação

  • ‘Ato e efeito’, texto de Rafael Teixeira, Fernando Neumayer e Luís MartinoFoto: Divulgação

Sáb:

“A vida acontece no pântano”

A autora e atriz brasileira Ana Abbott apresenta uma leitura dramatizada da peça, sobre um casal de biólogos, vividos por ela e por Michel Blois, cuja relação se assemelha simbolicamente a um pântano, misterioso, perigoso.

Sáb e dom:

“Aquilo que eu mais temia desabou sobre minha

Melodrama contemporâneo de Pedro Kosovski e Sjaron Minailo, que tem como ponto de partida a história bíblica do Livro de Jó.

“Ato e efeito”

parceria do jornalista e crítico teatral Rafael Teixeira com a produtora tocavideos, dos filmmakers Fernando Neumayer e Luís Martino. Diante das câmeras, artistas como Lázaro Ramos, Marcos Caruso, Inez Viana, Kelzy Ecard e Bianca Byington interpretam trechos de importantes obras clássicas.

Dom: “Black off”

A produção, da sul