Alice Wegmann desabafa sobre doença que sofreu no passado: “eu odiava meu corpo”


Na segunda feira, 04 de novembro, a atriz Alice Wegmann publicou em sua conta particular no Instagram um desabafo comovente assim que soube do suicídio de uma jovem na Irlanda que mal tinha completado 11 anos de idade. O motivo era exatamente pelo que ela havia passado anos atrás: a adolescente não gostava do seu corpo e, então, se matou.

Alice está participando das gravações para a supersérie “Onde Nascem As Flores”, que estreará em breve, já deixou de ir à rua quando adolescente e fez dietas das mais malucas porque detestava o que via na frente do espelho.

VEJA igualmente11 famosos que sofreram de bulimia e anorexia. Demi Lovato já revelou sua luta para superar esses transtornos

“Saí para correr no pôr do Sol e, quando voltei, abri essa notícia. Meu coração, que batia todo acelerado, murchou. Onze anos. Uma menina de onze anos se suicidou porque não estava feliz com sua própria aparência. Hoje no almoço, eu confessei para um amigo o quanto eu odiava meu corpo. Durante anos, fiquei sem usar regatas porque tinha horror aos meus ombros e braços largos — procurei vários nutricionistas, segui ~dietas da moda~ várias vezes e isso nunca me fez feliz“.

Alice explica na publicação que fez ginástica olímpica por quase 10 anos, 7 horas por dia, cinc5 dias por semana e, por conta disso, a compleição física dela se adaptou: “minha estrutura obviamente é larga. Aos poucos, tenho aprendido a gostar disso. Mas já deixei se sair de casa algumas vezes por insegurança”.

A atriz desde a adolescência viveu atrás de dietas, das mais variadas e quando deu por si, já estava mergulhada em um distúrbio alimentar. “Aí eu fui aos poucos descobrindo a quantidade de amigos que passavam pela mesma situação: conheço gente com bulimia, compulsão alimentar, anorexia e por aí vai“, contou

E por fim, Alice alertou aos seus seguidores:

Esse não é um post para falar sobre dietas. Esse é um post para pedir um favor: se olhe no espelho e aprenda a se amar de verdade. Não é tarefa fácil, eu sei — a indústria é tenebrosa e faz a gente lutar arduamente contra a ‘imperfeição’. Mas o nosso corpo é a nossa história e tem coisas na história que a gente não pode mudar. Outras sim… mas sempre com carinho e cuidado“.

É pena o que houve com a menina irlandesa que não conseguiu encontrar a força necessária para, assim como a Alice, conseguir seguir em frente. Pensar que por a famosa, tão talentosa, igualmente passou pela possibilidade de não estar mais entre nós, é de apertar o coração.

A publicação na íntegra, da atriz:

saí pra correr no por do sol e, quando voltei, abri essa notícia. meu coração, que batia todo acelerado, murchou. onze anos. uma menina de onze anos se suicidou porque não tava feliz com sua própria aparência. hoje no almoço, eu confessei pra um amigo o quanto odiava odiar meu corpo. durante anos fiquei sem usar regata porque tinha horror aos meus ombros e braços largos — procurei vários nutricionistas, segui ~ dietas da moda ~ várias vezes e isso nunca me fez feliz. fiz 8 anos de ginástica olímpica, treinava 7h por dia, minha estrutura obviamente é larga. aos poucos, tenho aprendido a gostar disso. mas já deixei de sair de casa algumas vezes por insegurança. desde os 15 vivia de dieta, e isso num determinado momento acarretou num distúrbio alimentar. aí eu fui aos poucos descobrindo a quantidade de amigos que passam pela mesma situação; conheço gente com bulimia, compulsão alimentar, anorexia e por aí vai. esse não é um post pra falar sobre dietas. esse é um post pra pedir um favor: se olhe no espelho e aprenda a se amar de verdade. não é tarefa fácil, eu sei — a indústria é tenebrosa e faz a gente lutar arduamente contra a “imperfeição”. mas o nosso corpo é a nossa história. e tem coisas na história que a gente não pode mudar. outras, sim… mas sempre com carinho e cuidado. o feminismo me ensina muito sobre amor próprio. e quero espalhar essa ideia pelo mundo porque acho que as mulheres precisam ser mais legais com elas mesmas. Rup