TV ‘adia’ polêmico filme de história de amor durante atentado em Paris


Frequentadores do Bataclan foram alvo de terroristas em 2015 – BERTRAND GUAY / AFP

PARIS — A rede de televisão estatal “France 2” anunciou o “adiamento” do polêmico telefilme sobre o atentado na casa de shows Bataclan, em 13 de novembro de 2015 em Paris, até que seu produtor tenha “consultado o conjunto das associações de vítimas”. O ataque armado terrorista, reivindicado pelo Estado Islâmico, deixou 130 mortos e mais de 350 feridos.

A ficção, intitulada “Aquela noite”, conta uma história de amor iniciada na noite do massacre na casa de shows parisiense, com a atriz Sandrine Bonnaire como protagonista. A gravação, realizada em Paris, terminou no fim de dezembro.

Em comunicado, a “France 2” ressaltou “que não há nenhuma data de exibição prevista” para este telefilme, que “além disso não foi visualizado pela direção da rede”.

A companheira de um homem morto no atentado lançou, há um mês, uma petição na internet para que o projeto fosse abandonado. Ela conseguiu mais de 36 mil assinaturas no site change.org.

“Este projeto nos causa dano, nos fere, nos choca (…). Estamos escandalizados que um projeto audiovisual assim possa vir à luz tão pouco tempo depois deste acontecimento tão violento”, critica o texto da petição, que solicita a “renúncia do projeto doloroso demais”.

O presidente da associação de vítimas Life For Paris, Arthur Dénouveaux, afirmou que “o papel da associação não é o de censor”.

“Embora nunca tenhamos pedido a censura, nos alegra que o pudor e a moderação prevaleçam”, declarou à AFP.

Em 13 de novembro de 2015, 130 pessoas morreram, 90 delas no Bataclan, e centenas ficaram feridas em uma série de atentados jihadistas em Paris e em Saint-Denis, ao norte da capital.

Newsletter

As imprescindíveis notícias do dia no seu e-mail.

TROCAR IMAGEM


Quase pronto…

Acesse sua caixa de e-mail e confirme sua inscrição para começar a receber nossa newsletter.

Ocorreu um erro.
Tente novamente mais tarde.

Email inválido.
{{mensagemErro}}

Curta e fique informado de mais notícias
Fonte: O Globo