Início / Brasil / Arquivo do IEB começa a ser transferido para o Complexo Brasiliana USP

Arquivo do IEB começa a ser transferido para o Complexo Brasiliana USP

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na próxima segunda-feira (27/7), depois de um ano de espera – e depois de três de planejamento -, o arquivo do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) finalmente começará a ser levado ao Complexo Brasiliana USP, que será, num futuro próximo, mas ainda incerto, a casa de todo acervo da instituição. Hoje, ele está concentrado num espaço menor, no térreo do Centro Residencial da USP (Crusp).

O IEB só conseguiu viabilizar a mudança agora porque desistiu de contar com uma empresa profissional para embalar e transportar seus 550 mil documentos divididos em 5 mil caixas. A tarefa será feita pelos 9 funcionários (5 mulheres e 4 homens) e pela Kombi do órgão.

“Acho que foi uma decisão muito sensata, já que o material, que é nosso acervo permanente, estará muito mais seguro agora. E também foi uma decisão sábia neste momento de crise geral. Como serviço público, temos que dar o exemplo e apertamos o cinto da nossa maneira”, diz Elisabete Ribas, supervisora técnica.

Leia mais notícias em Brasil

Entre as preciosidades desse acervo estão uma carta jesuíta de 500 anos, mapas, bilhetes, cartões, cartas, cadernos, documentos e manuscritos de diversos intelectuais, como Mário de Andrade. Quase tudo dele – e aí podemos incluir o original de Macunaíma, móveis e quadros – está lá. Ele abriga, ainda, os originais de Vidas Secas, de Graciliano Ramos, cadernos com desenhos e anotações de Guimarães Rosa e muito mais.

Em junho do ano passado, o IEB estava contratando uma empresa especializada em mudança de materiais delicados, mas um problema durante a licitação suspendeu o processo. À época, a segunda colocada, que pediu mais de R$ 50 mil pelo serviço, contestou a capacidade técnica da vencedora, que apresentou um orçamento de pouco mais de R$ 14 mil. De fato, explica Bete, seu atestado de capacidade era falso. Além disso, os funcionários da USP estavam em greve, a diretoria do IEB estava sendo trocada e o Brasil respirava a Copa do Mundo. Um ano depois, a questão foi retomada.

Com a solução caseira, o gasto não ultrapassará R$ 7 mil – mais ou menos o valor das 40 grandes caixas plásticas compradas para acondicionar as menores. Na terça-feira, eles fizeram um ensaio geral com o material do Milton Santos que chegou recentemente por lá e ainda estava em caixas provisórias. Deu tudo certo. Elisabete Ribas, que gastou um tempo embalando todas as medalhas e troféus do geógrafo, brinca: “Mas é gostoso porque vemos o peso da intelectualidade brasileira”.

A equipe, que será dividida em embalagem, transporte e recebimento, calcula pelo menos quatro viagens por dia. Ribas acha que será possível fazer duas extras, caso os funcionários estejam bem. Em vez de durar uma semana, se houvesse ajuda profissional, o processo levará até um mês. O IEB está fechado para pesquisa desde o início da semana, e apenas os casos pré-agendados serão atendidos no período da mudança. A partir de 31 de agosto, os pesquisadores já podem retomar as consultas na nova casa do instituto, que funcionará em três salas no moderno prédio inaugurado em 2013 e que já abriga a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin e a Livraria João Alexandre Barbosa. O espaço deve ser cinco vezes maior que o de agora.

O projeto da mudança completa do IEB para o Complexo Brasiliana está orçado em R$ 4 milhões, mas depende de liberação da verba pela Reitoria da USP. A maior parte do montante será investida na compra de mobiliário apropriado. Por ora, o IEB vai usar as estantes do Sistema Integrado de Bibliotecas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Correio Braziliense

Comentários


  •  
  •  
  •  
  •  
  •