Eles estão em todo canto, andam sempre em matilhas e causam uma verdadeira bagunça na cidade.

Cães se aglomeram na Orla de Penedo. Foto: Boainformação
Cães se aglomeram na Orla de Penedo. Foto: Boainformação

Não é de hoje que os cães de rua causam transtornos a população da cidade de Penedo. Em 2012 a atual gestão do município, na época tendo como prefeito Israel Saldanha,  tomou uma medida sanitária drástica, através do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Arapiraca, capturou diversos cães na cidade de Penedo a fim de sacrificar os animais que perambulam pelas ruas do município. A medida causou a revolta tanto das entidades nacionais que lidam com causa animal como da população de Penedo.

Atualmente o problema ainda é visível em vários bairros da cidade como também em pontos turísticos, como é o caso do Orla Ribeirinha onde a reportagem do Boa Informação flagrou vários cães seguindo uma cadela no cio. Os animais ainda sofrem riscos de serem atropelados pelos veículos que ali transitam, além de pessoas serem mordidas pelos próprios cachorros.

De acordo com a veterinária Gabriela Nery,  os animais soltos nas ruas, às vezes, são deixados pelos proprietários  quando já estão velhos ou doentes.

“Por não ter valor afetivo, eles simplesmente são descartados pelos donos, que são indiferentes à responsabilidade que lhes cabe”, disse.

Qual o dever da população para amenizar todo este problema?

– Nunca presentear crianças, e mesmo adultos, com animais de estimação, a não ser que seja um presente de comum acordo.

– Toda adoção ou compra deve ser avaliada. Nunca faça por impulso ou modismo. Esse animal de estimação depende única e exclusivamente de seus cuidados, desde alimentação, passeios e até cuidados médicos.

– Se for adotar um animal, dê preferência para cães e gatos abandonados ou provenientes de instituições que cuidam desses animais.

– Castrar todo animal, macho ou fêmea, que não sejam para fins específicos de reprodução.

– Fazer as vacinas e cuidados recomendados pelos veterinários, além das visitas periódicas, sempre procurando bem estar e qualidade de vida e respeitando as particularidades de cada espécie, seja no espaço recomendado para suas atividades, alimentação e manejo e até níveis de socialização e convivência com outras espécies.

– Nunca abandonar ou desistir desse animal, mesmo que ele não corresponda a suas expectativas. Por isso, toda adoção tem que ser estudada e planejada nos mínimos detalhes com auxílio de pessoal qualificado e que entende do assunto.

Qual sua opinião sobre isso?