Foto: Montagem Boa Informação
Foto: Montagem Boa Informação

A sessão desta quinta-feira teve os ânimos muito exaltados, principalmente por parte de alguns vereadores de oposição que não concordaram com a dinâmica proposta pelo Presidente da Câmara, Júnior do Tó (PDT), em conceder apenas três minutos para cada edil indagar a Secretária Municipal de Saúde, Vera Costa, que foi convocada para dirimir algumas dúvidas dos parlamentares.

Tudo começou quando o Vereador Nelsinho (PSDC) foi avisado que teria apenas três minutos para indagar a secretária. Bastante insatisfeito, o parlamentar protestou contra a ação da mesa diretora alegando que o tempo era muito escasso para esclarecer todas as dúvidas relacionadas a uma das pastas mais importante do município.

Após palavra passada para o vereador Derivan Thomaz (SOLIDARIEDADE) o mesmo afirmou que não iria nem usar dos seus três minutos, pois segundo ele, o Presidente não estava deixando que a Câmara exercesse seu principal dever que é de fiscalizar. Derivan insinuou que o presidente Júnior do Tó (PDT) estava tirando o direito do vereador para agradar a outra pessoa e ficou bastante aguerrido com toda a situação.

“Vossa Excelência é chefe do Poder Legislativo, mas não esqueça que é um representante do povo.” Disse Derivan.

O edil também alegou que estava com vários itens para questionar, porém não adiantava, pois segundo ele, era atrapalhado pelo Presidente da Casa.

“Por que V.Ex.ª é bancada do prefeito, é esse o seu papel? Aqui o papel de V.Ex.ª é nada mais nada menos que o papel de um magistrado, direcionar os trabalhos, mas acima de tudo exercer o mandato em favor do povo e não a favor de prefeito.” Esbravejou Derivan Thomaz.

Após seus pequeno discurso inflamado, ao ser avisado que tinha pouco mais de 1 minuto para encerrar sua participação, um edil concedeu seus três minutos para que Derivan pudesse concluir sua fala:

“Tem que saber se o presidente do Governo vai aceitar, pois aqui ele está se posicionando como presidente do Governo e não desta casa, não do povo!!!” disse Derivan.

Após isso, Júnior do Tó afirmou que o tempo já tinha se esgotado e Derivan ainda indagou:

“Vou deixar V.Ex.ª fazer do jeito que V.Ex.ª quiser, V.Ex.ª quer fazer do jeito que o prefeito mandou, então cumpra o papel de V.Ex.ª de governo que é, e faça só o que o governo quer, porque essa casa V.Ex.ª está desrespeitando, desrespeitando os vereadores, desrespeitando o mandato que o povo lhe conferiu…pode cortar meu microfone…agora V.Ex.ª é um subserviente!” finalizou Derivan  que teve seu microfone cortado por ordem do Presidente da Casa.

Júnior do Tó por sua vez tentou acalmar a situação e explicou ao Vereador Derivan que no início da sessão já tinha feito um acordo com os vereadores para que a dinâmica da audiência fosse deste jeito: 3 minutos para cada vereador, fazia pergunta e depois voltava.

“Se o vereador Nelsinho e V.Ex.ª quiser falar quinze minutos, nós vamos sair que horas? As perguntas serão feitas e estão sendo feitas” disse Júnior do Tó.

Após tudo isso a sessão foi paralisada para que os vereadores de bancada e situação pudessem se entender.

Ouça o áudio da discussão