20150612_094803
Foto: Boa Informação

E a polêmica das apreensões de ‘cinquentinhas’ em Penedo não tem fim.

Após blitz realizada nesta quinta-feira, 11 de junho, por policiais do 11º BPM que apreenderam motocicletas cinquenta cilindradas que estão irregulares na cidade de Penedo, proprietários das motos Shineray foram na manhã desta sexta(12) buscar mais informações quanto a documentação necessária para regularização da mesma perante o Detran.

Primeiramente os condutores que tiveram suas motos apreendidas ou não, foram ao Ciretran em Penedo, portando de todos documentos requisitados, e se depararam com algumas irregularidades, segundo eles, nas notas fiscais expedidas pela empresa Shineray. Segundo o Ciretran, as notas apresentadas não têm validade legal nenhuma, pois há ausência de carimbo de autenticidade e outros requisitos. Diante disso, dezenas de proprietários se digiram até a loja onde são vendidas estas motocicletas e foram buscar mais informações com os responsáveis pela venda.

Na verdade a nota fiscal tem que constar dados do veículo no sistema do Detran, e quem abastece esses dados são as revendas autorizadas que jogam para o sistema dos DETRANS de todo o país. Quando esses dados não existem, óbvio que não constará nada pra o sistema, e daí o departamento não pode realizar o emplacamento devido.

Uma funcionária da empresa informou à redação do site Boa Informação que estava tão surpresa quanto os consumidores e a mesma entrou em contato com responsáveis da Shineray para que os mesmos se dirigissem até Penedo para resolver todo este impasse.

Preço alto

Fora isso, condutores reclamaram do alto preço cobrado pelo Departamento Estadual de Trânsito de Alagoas para regularização da moto. Um motociclista informou que terá que pagar cerca de R$800,00 para regularização do seu veículo, isso sem contar o pagamento para habilitação na categoria “A”.Além disso, quem possui motocicletas a alguns anos deverão ainda pagar a retroatividade, ou seja, se um proprietário comprou a moto em 2012, ele deverá pagar o emplacamento dos anos de 2012, 2013, 2014 e 2015.

Outras pessoas que compraram a motocicleta de terceiros, agora têm que tentar encontrar o primeiro proprietário da moto para que o mesmo possa passar todas as documentações necessárias.

Desistência do veículo

A insatisfação e desapontamento de ter que emplacar e possuir um documento de habilitação é tão grande, que já há anúncios de várias pessoas que estão vendendo suas motos 50c.

“Comprei essa moto para minha esposa levar e buscar meu filho no colégio, não queria ter mais despesas com documentos, por isso optei por esse modelo de baixa cilindrada, agora tô me vendo no prejuízo, pois nunca pensei que precisasse emplacar e ter habilitação” informou um consumidor que não quis se identificar.

Nota oficial da Shineray

A reportagem do site Boa Informação entrou em contato com a assessoria de imprensa responsável pela comunicação da Shineray no país. Nosso portal de notícias informou toda a situação do que estava acontecendo e a empresa ficou de divulgar uma nota oficial sobre o ocorrido.

Comentários