Áudio de diretor do “Fantástico” criticando jornalismo da Globo é falso



    Emissora manda resposta ao autor anônimo da ação

    Luiz Nascimento à esquerda: áudio é fake!


    Publicado em 18/08/2017 às 16:40:05

    , atualizado em 18/08/2017 às 16:42:16


    Por: Fabrício Falcheti com Sandro Nascimento


    Circulou pelo aplicativo WhatsApp nesta sexta-feira (18), um áudio creditado ao diretor do “Fantástico“, Luiz Nascimento, criticando o jornalismo da Globo.

    No arquivo de cinco minutos, a voz diz que a emissora está fazendo um jornalismo com tendência política de esquerda e que passaria a favorecer Lula em seus telejornais, após um acordo com o ex-presidente.

    O áudio foi compartilhado para muitas pessoas e grupos com um texto afirmando que tratava-se de Luiz Nascimento, que teria pedido demissão da Globo nesta sexta.

    É tudo mentira. A Globo tratou de esclarecer o fato em suas redes sociais e também enviou um comunicado quando procurada pelo NaTelinha.

    “É falso. Máquinas de propaganda se utilizam cada vez mais de fake news com propósitos escusos. Mas pesquisas mostram que temos uma vantagem: como líder absoluta, todos veem nossos noticiários e o público não acredita nos boatos, porque eles não são compatíveis com o que vai ao ar de fato”, disse a emissora em nota.

    Diretor do “Fantástico”, Luiz Nascimento também falou: “A informação disseminada no WhatsApp é totalmente falsa. Não pedi demissão, a voz não é minha e esse texto falso também não é meu. Acho lamentável – e me causa profunda indignação – que máquinas de propaganda condenáveis e protegidas por um anonimato criminoso usem as redes sociais para propagar mentiras com objetivos obviamente escusos”.



    LEIA MAIS

    COMENTÁRIOS


    Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!



    Fonte: Na Telinha / UOL