Palocci foi preso na Operação Omertà, desdobramento da Lava Jato em setembro de 2016, e condenado por Moro a 12 anos e 2 meses de prisão. Foto: Agência Brasil/Arquivo (
Palocci foi preso na Operação Omertà, desdobramento da Lava Jato em setembro de 2016, e condenado por Moro a 12 anos e 2 meses de prisão. Foto: Agência Brasil/Arquivo)
Palocci foi preso na Operação Omertà, desdobramento da Lava Jato em setembro de 2016, e condenado por Moro a 12 anos e 2 meses de prisão. Foto: Agência Brasil/Arquivo

O ex-ministro Antônio Palocci confessou, nesta quarta-feira, 6, ao juiz federal Sérgio Moro, ser o “italiano” que consta na famosa planilha de propinas da Odebrecht.

Palocci foi preso na Operação Omertà, desdobramento da Lava Jato em setembro de 2016, e condenado por Moro a 12 anos e 2 meses de prisão. Ele está tentando fechar acordo de delação premiada com a força-tarefa do Ministério Público Federal.

O petista negou ser chamado de Italiano pelos executivos da Odebrecht, mas admitiu que as propinas que constam na planilha dizem respeito a ele.

“Se eu era conhecido como ‘italiano’? Não! O Marcelo nunca me chamou de italiano, mas acho que essa planilha quando ele coloca italiano ele diz respeito a mim. Ele nunca me chamou por esse nome. Nem ele, nem Emílio. Mas eu não sei por que escolheu essa alcunha. Tem vários e-mails que ele fala de italiano e Itália que não diz respeito a mim, porque diz respeito a outras pessoas. Mas a planilha eu acredito que sim, porque boa parte do que é tratado nessa planilha são assuntos que eu tratei com ele” relatou.

O ex-ministro resolveu confessar seus crimes em interrogatório no âmbito de processo relacionado à suposta compra, pela Odebrecht, do apartamento vizinho ao de Lula, em São Bernardo do Campo, e do terreno onde seria sediado o Instituto Lula. Segundo o Ministério Público Federal, os imóveis são formas de pagamento de vantagens indevidas ao petista.



Fonte: Diário de Pernambuco

Sem avaliações

Avalie essa notícia