Temer recorre de decisão de Fachin e pede impedimento de Janot


    Foto: EBC

    A defesa de Michel Temer recorreu ao plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do ministro Edson Fachin, que rejeitou o pedido de suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para atuar em investigação sobre o suposto envolvimento do peemedebista em obstrução de justiça e organização criminosa em tramitação na Corte.

    O advogado Antônio Mariz, representante de Temer, diz em recurso apresentado nesta sexta-feira que Janot extrapola os “limites constitucionais e legais inerentes ao cargo que ocupa” nos casos relacionados a Temer, e que o cargo de procurador-geral da República não autoriza sair “atirando flechas na direção do Presidente da República”.

    “No afã de envolver o senhor presidente da República em fatos incertos e não determinados, uma série de ‘certezas’ foram lançadas pelo Chefe do parquet que dificultaram sobremaneira uma análise isenta e desprovida de influências que só agora têm vindo à tona, sendo certo que toda a contextualização ora sintetizada, mas amplamente esmiuçada na exordial, evidencia a clara suspeição do Dr. Rodrigo Janot para a condução, no âmbito do Ministério Público Federal, de casos envolvendo o ora agravante”, destaca o advogado.

    “Saliente-se, ainda, ser fundamental a apreciação da arguição oposta, tendo em vista o seu caráter prejudicial no que tange à eventual anunciada nova denúncia contra o Presidente da República. A suspeição, se reconhecida, macularia irremediavelmente a inicial do Procurador-Geral da República, razão pela qual, se oferecida, deverá ser sustada até o julgamento do presente agravo regimental”, reforça a defesa.

    Fachin, em sua decisão, apontou que não há fundamento na afirmação de Temer de que ele seria alvo de perseguição política por parte do procurador-geral.


    Fonte: Topmidianews.com.br