O juiz Tiago Alberto, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, determinou a interdição da carceragem da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) de Curitiba, após um pedido feito pelo Ministério Público do Paraná. Além da interdição, a decisão determina a retirada de todos os presos da unidade.

Atualmente, a carceragem está com 63 detentos, mas tem capacidade para apenas 20. A transferência, segundo a decisão, deve ser feita em três etapas. Até o dia 25 de fevereiro, deve ser feita a remoção de 20 presos. Até 25 de março outros 20 presos devem ser transferidos e, até 25 de abril, a remoção deve ser concluída com a retirada de todos os detentos da delegacia.

Entre as justificativas para interdição, estão a superlotação, a falta de estrutura interna e consequente violação da dignidade dos presos, além da ausência de segurança para a população que mora no entorno do local. O juiz igualmente cita a falta de espaço para ventilação e acesso à luz solar.

Em caso de descumprimento, o juiz impôs ao Estado do Paraná, ao governador Beto Richa, e ao delegado responsável pela Delegacia de Furtos e Roubos, multa diária no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), a cada novo preso que ingressar na carceragem após a intimação da decisão.

A Procuradoria Geral do Estado informou, em nota, que recebeu a notificação e que vai recorrer da decisão.



Fonte: Massa News