CNTA: Desconto de R$ 0,46 no diesel chegará às bombas até 30 de junho


BRASÍLIA  –  O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, afirmou nesta quarta-feira (6) que o desconto de R$ 0,46 no litro do diesel chegará às bombas até 30 de junho. Bueno disse que esse foi o prazo estabelecido pelo governo na reunião que terminou no início da noite de hoje na Casa Civil, atribuindo-se a demora à política de cobrança do ICMS estadual. Ele reiterou que não há risco de nova paralisação dos caminhoneiros.

Segundo Bueno, durante a reunião, as autoridades presentes explicaram que o repasse do desconto ocorrerá “de forma mais acentuada até o dia 15 de junho, e até 30 de junho teremos [o desconto] completamente em todos os Estados”. Segundo ainda o representante dos caminhoneiros, o governo esclareceu que o desconto não poderia ser “imediato” – como chegou a declarar o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha , por causa da cobrança do ICMS sobre o combustível, que é atribuição dos Estados.

Sobre rumores de nova paralisação caso o governo reduzisse o preço mínimo do frete fixado nas tabelas – conforme pleito do agronegócio e da indústria , Bueno disse que pode falar pelas entidades de forma organizada e legal que representam a categoria, que esse perigo não existe. “Elas [entidades] não veem a necessidade de uma nova mobilização.”

Bueno disse, ainda, que há vários itens que já vêm sendo contemplados a partir do acordo, como a cobrança em relação ao eixo suspenso. “Nenhum caminhão mais paga eixo suspenso quando está vazio.”

Tabela de frete

Ele também negou que a redução do preço mínimo do frete estabelecido nas tabelas tenha sido discutido na reunião. “Nós estamos vendo um esforço do governo em fazer cumprir aquilo que ele se comprometeu com a categoria.” Bueno afirmou que a tabela de frete será mantida, mas admitiu que poderão ser feitos alguns ajustes no que havia sido acordado.

“A tabela permanece. Podemos fazer aperfeiçoamentos”, destacou. “Não se trata de uma mudança, mas uma correção, um aperfeiçoamento para que ela fique mais fácil de ser interpretada e aplicada pela categoria”, completou.

Bueno disse ainda que o preço do frete que foi estabelecido pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) tem o conhecimento do mercado e “dentro do que foi estabelecido vai ser mantido”.

O presidente da CNTA disse desconhecer a alegação de entidades sobre a possibilidade de que o preço do frete seja duplicado por conta da medida. “Não vemos essa condição de que o frete pode dobrar, desconhecemos isso”, afirmou.

O sindicalista disse ainda que foi pedido ao ministro dos Transportes, Valter Casimiro, que sejam incluídos na tabela de frete os caminhões com dois eixos, chamados de caminhões tocos, além de estabelecer preços a cada 50 quilômetros, em vez de 100 quilômetros.

“São esses aperfeiçoamentos que precisamos ter na tabela, mas a tabela permanece e vamos continuar organizados para que ela se torne definitiva, independentemente da Medida Provisória”, explicou.

Além de Casimiro, a reunião, que aconteceu no Palácio do Planalto, contou com a presença dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (secretaria de Governo) e General Sergio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional). Participaram também representantes de outras associações de caminhoneiros.

 



Fonte: Valor Econômico

Comentários