Governo promete reforçar oferta de energia durante jogos da Copa


BRASÍLIA  –  O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) decidiu nesta quarta-feira (6) que serão adotadas medidas para aumentar a segurança do suprimento de energia elétrica durante a transmissão dos jogos da Copa do Mundo FIFA 2018, que será realizada neste mês na Rússia.

A estratégia de garantir um “grau adicional de segurança” ao sistema elétrico durante os jogos foi apresentada hoje pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), em reunião do comitê.

“O intervalo de operação especial terá início duas horas antes e finalizará duas horas depois dos jogos do Brasil e de outros eventos também identificados como de grande relevância, tais como cerimônia de abertura e o jogo final”, informou o CMSE, em nota.

O ONS planeja manter um número maior de unidades geradoras (turbinas) sincronizadas nas hidrelétricas. Esta decisão visa “preservar o equilíbrio” entre a demanda e a geração de energia elétrica durante as “rampas de consumo” no intervalo e no fim dos jogos.

Mais plantonistas

Também serão reforçadas as equipes de plantão nas instalações consideradas estratégicas. As transferências de carga entre as regiões e a manutenção prevista para as redes de transmissão deverão contar com uma “programação diferenciada”. Isso, segundo o CMSE, deverá aumentar a confiabilidade do sistema em caso interrupção no fornecimento.

“A partir das simulações realizadas e apresentadas pelo ONS, não são previstas dificuldades no atendimento da carga. Assim, o CMSE reforçou a importância das medidas para ampliar a segurança do fornecimento de energia à sociedade no período do evento”, destacou o comitê na nota.

O CMSE, composto pelas principais autoridades do setor elétrico, se reúne no início de cada mês para analisar as condições de suprimento eletroenergético em todo o país.

De acordo com CMSE, em maio, entraram em operação, no sistema, mais 260 Megawatts (MW) de capacidade de geração. No segmento de transmissão, o comitê registrou a ampliação da rede em mais 767 quilômetros no mês passado. Entre janeiro e maio, o sistema contou com 2.107 MW de capacidade de geração adicional e mais 2.162 quilômetros de linhas.

Para o CMSE, o risco de haver qualquer déficit de energia (desabastecimento) em 2018 é de 0,2% para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste e zero para o subsistema Nordeste.



Fonte: Valor Econômico

Comentários