Bruno Gagliasso se pronuncia sobre tweets polêmicos: “respondendo com ações”


Nesta quinta-feira (5), Bruno Gagliasso usou seu Twitter para se pronunciar sobre posts polêmicos publicados por ele mesmo em 2009. Nas publicações o ator debochava de homossexuais, mulheres feias e piadas de cunho sexual.

“Estou aqui em 2018 respondendo com minhas ações e atitudes por quem já fui também em 2009 e mesmo antes disso. De alguma forma todos estamos. Não é passando o pano no preconceito, mas sim passando tudo a limpo, que o mundo vai se tornar um lugar melhor”, escreveu o Bruno Gagliasso.

Entenda o caso

As publicações de Bruno Gagliasso foram resgatadas pelo grupo político Movimento Brasil Livre, o MBL e cobrando explicações.

Bruno e Giovanna Ewbank apoiaram uma campanha virtual pedindo boicote a Júlio Cocielo, que fez um comentário racista ao jogador Mbappé no último sábado (30).

Bruno Gagliasso fez um repost da jornalista Isabela Reis: “Você tem noção do que são 11 milhões e 200 mil pessoas? Eu ajudo. É a população inteira da Bélgica. É um milhão a mais do que a população de Portugal. São 143 Maracanãs lotados. São todas as pessoas que ainda estão apoiando diretamente um influencer assumidamente racista. Temos que cobrar posicionamento das marcas que o patrocinam, é claro. Mas são os outros famosos que ainda o seguem e, principalmente, as pessoas comuns, anônimas, que verdadeiramente me preocupam. Apoiar uma pessoa racista é ser conivente, sim”.

Júlio Cocielo pede desculpas e assume ignorância

“Eu estou aqui consciente do meu erro. Eu não quero tentar ter razão ou tentar debater pela razão em cima de alguma coisa que realmente eu não tenho razão nenhuma”, começou. “Eu fiz um comentário muito zoado, muito mal explicado, e gerou toda essa confusão que você está vendo agora. Eu tentei me referir à velocidade dele (Mbappé), e o comentário foi tão infeliz e mal explicado que acabou ofendendo algumas pessoas”, disse, Cocielo.

Júlio Cocielo contou que, após a repercussão do fato, ficou tentando entender tudo o que provocou, conversando com pessoas que o ajudaram sobre o tema racismo e como a sua mensagem no Twitter era mais uma que perpetuava o preconceito e espalhava o ódio.

“Todo mundo deveria aprender e entender”, disse, deixando claro que seu pedido de desculpas não veio só porque perdeu o apoio de marcas famosas. “No meu caso, a minha ignorância foi combatida com conhecimento. E quando eu fiz esse tweet, logo em seguida eu deletei ele, porque quem me conhece, quem me assiste, sabe que meu intuito nunca foi ofender ninguém. E quando eu vi que estava ofendendo, eu deletei. ‘Ah, quando pesa no bolso, as pessoas pedem desculpa’. Mano, eu não nasci em berço de ouro. Eu vim do nada. A coisa mais importante para mim é a minha criação e humildade. Eu aprendi que a humildade não está no que a gente tem, ela está no nosso caráter”, bradou.

“Aquele monte de merda que eu falei é muito distante de quem eu sou hoje e do tanto que minha vida evoluiu de repente. O eu de um dia atrás já não é o eu de agora (…). Hoje, eu leio tudo aquilo que eu postei e me sinto envergonhado. Foram coisas absurdas”, afirmou.

“Eu apaguei porque eu quero recomeçar. Vou olhar para frente, fazer diferente, aprender com o meu erro (…). Isso faz parte de meu processo de aprendizado e crescimento humano”, garantiu.

Por fim, o youtuber reforçou seu pedido de desculpas, dizendo que vai aceitar “todas as consequências” do que publicou. E repetiu: “Eu não estou fazendo esse vídeo por marcas. Estou fazendo isso por mim, porque eu me senti mal. Lendo as notícias, eu fiquei com vergonha”.


Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!





Fonte: Na Telinha / UOL