Advogado preso em Penedo é transferido para Maceió

O advogado João Carlos Renovatto foi transferido na manhã desta quinta-feira, 23, da delegacia de Penedo para Maceió. Ele foi preso ontem durante operação realizada pela Polícia Civil, trabalho coordenado pelos delegados alagoanos Gustavo Xavier e Mário Jorge Barros, com apoio da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, representada pelo delegado Rodrigo Bozzetto.

 

De acordo com informações oficiais sobre o caso, João Carlos Renovatto é apontado pela Polícia Civil como integrante de um grupo suspeito pela prática de fraude que causou prejuízo financeiro de mais de 220 mil reais contra uma família gaúcha.

Além do advogado penedense, também foram presos José Antônio da Silva – detido em Maceió – e Jurandir Cunha Oliveira, este capturado em Porto Alegre-RS.

Leia também
Advogado é preso em Penedo durante operação da Polícia Civil

A reportagem do Boa Informação conversou na manhã de hoje com o advogado Anderson Jesus Vignoli, secretário-geral da subseção da OAB Penedo. Ele disse que toda a operação foi acompanhada por representantes da entidade, desde a busca e apreensão de documentos e bens relacionados ao caso, o telefone celular do suspeito e sua condução para a delegacia.

A OAB Penedo também acompanhou a prisão de José Carlos Renovatto e o depoimento do advogado que teve prisão preventiva decretada pela 17ª Vara Criminal, atendendo solicitação dos responsáveis pelo caso que envolve indução do Poder Judiciário ao erro, estelionato, falsificação ideológica e associação criminosa, conforme informa a Polícia Civil.

Durante seu depoimento na delegacia, José Carlos Renovatto alegou que também foi induzido ao erro pelo cliente que o contratou.

Ele passou a noite em local separado na delegacia de Penedo e foi removido para uma unidade militar localizada em Maceió, onde funciona a Sala do Estado Maior, denominação para local de detenção para advogados.

“Como se trata de uma situação que envolve o exercício de nossa profissão, existem determinadas prerrogativas asseguradas pelo estatuto da OAB”, explicou Anderson Vignoli em entrevista exclusiva ao Boa Informação.