A plataforma “Football Leaks” acusou a Uefa de ter acobertado supostas violações de normas antidoping por parte do zagueiro do Real Madrid Sergio Ramos em 2017.

Segundo a página, o defensor testou positivo para uma substância proibida após a final da Liga dos Campeões da Europa do ano passado, contra a Juventus, mas a Uefa aceitou a desculpa do clube merengue de que havia sido apenas um “descuido”.

O caso acabou engavetado, sem nenhuma consequência para Ramos ou o Real Madrid. Na ocasião, o time espanhol venceu a Velha Senhora por 4 a 1. Após a partida, descobriu-se que o zagueiro havia ingerido o medicamento dexametasona, anti-inflamatório proibido pela Agência Mundial Antidoping (Wada).

Leia também:
Manifestantes protestam contra aumento de combustíveis em Paris
A batalha de uma mãe para salvar sua filha doente na Venezuela em crise

O remédio, no entanto, pode ser usado em casos de comprovada necessidade terapêutica e desde que comunicado na véspera da partida. Nos documentos entregues à Uefa, contudo, o Real Madrid havia informado o nome de outro remédio, o celestone cronodose.

Por meio de uma nota, o clube diz que Ramos “nunca infringiu a normativa de controle antidoping” e que a Uefa “encerrou o referido assunto imediatamente, como é habitual nestes casos”.

“Sobre o restante do conteúdo da mencionada publicação, o clube não se pronuncia ante a evidência da falta de substância da mesma”, afirma o comunicado.




Fonte: metrojornal.com.br