Hernán Barcos chegou ao Palmeiras em 2012 e logo caiu nas graças da exigente torcida alviverde. No clube, o atacante conquistou a Copa do Brasil em 2012 e amargurou o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. 

No Palmeiras, o atacante argentino alcançou a incrível marca de 31 gols em 61 jogos – uma média de meio gol por jogo (0,50). 

Com a queda para a Série B, Barcos era considerado o destaque do time e avisou ao torcedor palmeirense que ficaria no clube na temporada pós-rebaixamento. 

Ainda mantendo o nível das boas atuações em 2013, Barcos recebeu proposta do Grêmio. Sem o grande poderio financeiro que possui atualmente, o Palmeiras optou por vender o argentino e ainda receber mais quatro jogadores gremistas na negociação. 

Seis anos depois, Barcos deu sua versão sobre o caso ao canal Sportv e afirmou que, na época, gostaria de ter continuado no Palmeiras.

“Terminou o ano de 2012, eu tinha ido para a seleção. Terminei o ano na seleção e decidi ficar no Palmeiras em 2013. Aí estava tudo normal, tranquilo. Jogamos numa quarta-feira, primeiro ou segundo jogo do Paulistão; depois do jogo, me disseram que teriam que falar na quinta com o Rui Costa (então executivo de futebol do Grêmio). Eu não queria sair, estava bem com o Palmeiras. Eu não queria sair, disse o atacante.

“Depois, me disseram que eles tinham aceitado a proposta, que vinham atletas do Grêmio. Falaram que era para falar que era comum acordo, bom para mim. No meio da semana, o presidente falou que eu quis sair. Eu fiquei bravo, completou.

Criciuma v Gremio - Brasileirao Series A 2014

Um dos argumentos usado pelo então presidente Arnaldo Tirone, em conversa com o jogador, foi que o clube não conseguiria pagar o alto salário do atacante.

Foi bom ter ido ao Grêmio, mas fiquei ruim pela saída do Palmeiras. O combinado é uma coisa e se fala outra coisa. Normalmente é o atleta que se complica nessa hora. Eu, na hora, não quis falar, fiquei quieto por respeito ao Palmeiras. Mas ainda me xingam”, concluiu Barcos.



Fonte: 90min