O trabalho investigativo coordenado pelo Delegado Rômulo Andrade, titular da Delegacia do município de Porto Real do Colégio/AL, em conjunto com os serviços de inteligência das Polícias Civil e Militar do Estado de Sergipe, resultou na manhã de hoje (01/03/2019), no cumprimento de MANDADO DE PRISÃO PREVENTIVA, emitido pela magistrada, Dra. Fabíola Melo Feijão da Comarca de Porto Real do Colégio, em desfavor da pessoa de etenia cigana JAILTON ALVES SANTOS, 25 anos, localizado na cidade de UMBAÚBA, litoral sul do estado de Sergipe.

JAILTON, mais conhecido por “CIGANO MANDIOCA” assassinou com vários disparos de arma de fogo a adolescente LORRAINE MARQUES BARROS, no dia 25 de janeiro de 2019, na prainha do Sítio Belém, zona rural do citado município alagoano, depois de discussão banal com a vítima, a qual até então se quer conhecia.

A adolescente de 14 anos evoluiu ao óbito no local da ocorrência. A partir daí, equipes da polícia civil alagoana, empreenderam várias diligências que foram acondicionadas no INQUÉRITO POLICIAL n. 671/2019-85DP, alimentado por laudo técnico de local de crime, emitido pelo Instituto de Criminalística do estado e laudo pericial de exame cadavérico.

Logo depois do registro da ocorrência, efetivamos trabalho investigado que resultou, dias depois, na representação pela decretação da prisão preventiva do autor do crime. Dando sequência aos trabalhos, conseguimos informes que o mesmo teria fugido para a região, entre as cidades de Cristinápolis e Umbaúba, ambas no estado circunvizinho de Sergipe, sendo repassada as informações dia a dia para as equipes policiais daqueles municípios, até a prisão do homicida, que ocorreu na data de hoje. “O trabalho sério e competente, desenvolvido no referido inquérito policial, com a coleta de informações extra-autos acerca do paradeiro do foragido e, principalmente, o empenho de todas as polícias envolvidas, só poderia trazer o resultado positivo na missão, concluído nesta data, finalizou o Delegado”, que indiciou o Jailton Alves Santos pela prática do crime de HOMICÍDIO DUPLAMENTE QUALIFICADO, cuja pena pode alcançar os 30 anos de prisão.

Providências agora estão sendo adotadas para prover a transferência do preso para carceragem da Delegacia de Polícia de Igreja Nova/AL e depois para o Sistema Prisional alagoano.

Com Informações PC/AL