Nando Cunha desmente SBT sobre sua saída de As Aventuras de Poliana

Nando Cunha em As Aventuras de Poliana (Foto: Lourival Ribeiro)

Segue a polêmica envolvendo o desligamento de Nando Cunha da novela infantil As Aventuras de Poliana, exibida pelo SBT no horário nobre. Em vídeo publicado no Instagram, o ator veio a público para refutar a versão da emissora de que a morte de seu personagem, Ciro, já estava prevista na sinopse do folhetim.

“A contrapartida do SBT dizia que o meu final já era dado como certo, que já estava escrito, que estava na sinopse… Mentira! Isso daí eu não vou deixar”, disparou Cunha, a respeito da sequência, transmitida no capítulo de ontem (quarta-feira, 15), em que Ciro morre tragicamente ao ver o teto da própria casa desabando sobre si.

“E que eu achava que o meu personagem mudaria ou viraria a história. Gente, quem sou eu, no alto dos meus 52 anos – e não 62 – achar que eu vou mudar? Enfim, eu não vou querer criar polêmica, eu sei quem… não sei quem deu essa resposta pelo SBT, mas voltando a dizer: ninguém sabia dessa morte, isso não estava escrito, isso foi uma resolução depois que o diretor avisou que resolveram não renovar mais comigo o contrato”, concluiu o intérprete.

Tributo

Depois de a cena da morte de Ciro ter ido ao ar, gerando uma série de protestos na internet, Nando usou novamente o Instagram para prestar uma homenagem ao papel que desempenhou na história escrita por Íris Abravanel.

“Enxergar a vida sem maldades, acreditar no melhor das pessoas, sendo incapaz de fazer mal a alguém. Essa é a definição de uma pessoa-Poliana. E é assim que sempre enxerguei meu personagem. O Ciro. Quero agradecer a cada um pela parceria. Atores, técnicos, diretores, produtores, equipe de maquiagem, de cabelo, direção de arte, cenário, fotografia, câmeras, enfim… A todos que me fizeram crescer como pessoa e como profissional, aprendi muito com todos e com tudo. Um novo público, novos amigos. Foi ótimo, foi lindo”, resumiu.

“Sigo de cabeça erguida, sabedor de ser digno do meu ofício de artista. Transgredir, provocar, instigar, transformar. Finalizo citando Shakespeare no monólogo Hamlet: ‘Morro, o veneno já toma conta de todo meu espírito. Desejo apenas que de tua boa esses trágicos acontecimentos sejam narrados pela luz da justiça celestial que absolvem todos os crimes de amor. O resto é silêncio’. Que Deus abençoe a todos e até um próximo set de filmagens”, finalizou Nando.





Fonte: Observatório da TV