De volta ao Cruzeiro, dirigente abre o jogo sobre compra de Arrascaeta em 2015

​Anunciado na última segunda-feira (8) como novo diretor de comunicação, Valdir Barbosa está de volta ao ​Cruzeiro após quatro anos. Concedendo entrevista poucas horas após o anúncio de sua chegada, o dirigente prestou esclarecimentos sobre alguns assuntos delicados, como os atrasos salariais que atingem o clube nesta temporada e a polêmica negociação que sacramentou a ida de Arrascaeta à Raposa, firmada em 2015 com aval do próprio. 

Já segue a gente no Instagram? Clique aqui e venha para a Casa dos Torcedores!

Sobre os atrasos salariais, o novo diretor de comunicação cravou que tudo estará acertado dentro das próximas duas semanas: ​​A coisa está caminhando. Eu creio que daqui há uns 10 dias, haja grande possibilidade de quitar os salários. E os jogadores têm entendido essa situação. O que não pode é deixar dois meses, três meses atrasados. Vejo a correria do presidente, do Itair, para fazer as negociações”, afirmou em entrevista à Rádio98FM.

De Arrascaeta

Como destaca o ​UOL Esportes, Valdir também destrinchou os moldes da negociação que levou De Arrascaeta à Toca da Raposa em 2015, transferência que gerou enorme dor de cabeça ao clube em pleno 2019. Isso porque a vinda do meia uruguaio foi condicionada à aquisição paralela do atacante uruguaio Latorre, do modesto Atenas, que rumou ao Brasil mas jamais foi utilizado pelo Cruzeiro. Em maio deste ano, a Raposa foi condenada pela FIFA a pagar surreais R$ 18,5 milhões ao modesto time uruguaio, que acionou o clube mineiro na Justiça reivindicando valores da venda de Latorre.

Aquilo ali foi uma forma de complementar a compra do Arrascaeta. Envolvia luvas, envolvia uma série de coisas (…) Criou-se uma fórmula para pagar como se fosse uma compra do Latorre. Como o Cruzeiro não pagou, o negócio estourou, foi para a Fifa e virou R$ 18 milhões. Recebi muitas críticas, e entendo que eu não posso reclamar. Estava lá, mas tudo foi aprovado pelo presidente. Ele queria que o Arrascaeta viesse. Então foi uma coisa mais ou menos casada. Pronto. Foi muito dinheiro? Foi. Deixou o negócio acumular, foi pagando juros, correção… aí virou essa quantia toda”, explicou.





Fonte: 90min