Presidente do Santos é alvo de nova polêmica e quase “sai na mão” com empresário na Vila

O presidente do ​Santos, José Carlos Peres, vem sendo protagonista de situações nada agradáveis na Vila Belmiro. Depois de não gostar do e-mail de Jorge Sampaoli em que o técnico reclamava de vários acontecimentos no clube, desde o atraso no pagamento dos direitos de imagem até a demora em anunciar reforços, o cartola se envolveu em uma verdadeira confusão com um empresário de um dos seus atletas na Vila Belmiro.

Na tarde da última quinta-feira (11), Peres teve uma discussão acalorada com Anderson Francisco, agente do lateral-esquerdo Caju. Houve quem dissesse que os dois saíram nas “vias de fato” – tudo teria acontecido por o mandatário do Peixe ter “sumido” em um encontro para resolver a negociação do jogador ao Braga, de PortugalO clube europeu ofereceu 500 mil euros (cerca de R$ 2 milhões), enquanto a diretoria santista quer mais 100 mil euros (R$ 2,4 milhões). 

Caju,Fred

Ao ​jornal Lance!, o empresário de Caju afirmou que Peres teria sido desrespeitoso no bate-papo. Eu fui falar que ele (Peres) aceitou vender o Vecchio por 500 mil euros (ao Al-Ittihad, da Arábia Saudita), não estávamos querendo prejudicar. Ele veio gritando que só ia liberar se tivesse 30% de uma futura venda do Caju”, revelou o agente

“Já vimos que o Caju não terá oportunidade e não queremos lesar o Santos. O presidente pediu 600 mil euros, mas só consegui 500 mil (com o Braga). O Peres disse que conversaria com o Caju ontem (quarta-feira), mas ficou nos deixando esperar por 5 horas. Ele alegou que estava com pressão alta, mas dá 10 minutos e o vemos dando risada, atendendo outra pessoa na nossa frente. Hoje, quando cheguei na Vila para conversar, o Peres estava saindo, pedi para conversarmos e não prejudicar o Santos. Ele gritou comigo, fui para cima dele, mas os seguranças apartaram, completou Anderson. 

Por sua vez, Peres tentou minimizar o ocorrido, embora tenha admitido ter elevado o tom de voz com o empresário de Caju e uma troca de empurrões. Foi uma discussão só, acalorada, né? Mas é sem nenhum tipo, não me machucou, não me fez nada. É aquela história, mas não é nada disso. Não me agrediu, porque não seria louco. Estava com dois seguranças altos, foi um empurrão, mas não dá para caracterizar. Foi mais provocação do que outra coisa”, relatou o presidente do Peixe. 

Caju foi emprestado ao Apoel, do Chipre, na temporada passada, e retornou de empréstimo no fim de junho. O lateral-esquerdo teve o aval do técnico Jorge Sampaoli para ser integrado ao elenco, principalmente com a chance de saída de Jorge, que está emprestado pelo Mônaco, da França. Entretanto, com o Braga no páreo para comprá-lo, a diretoria do Peixe se mostra aberta para negociar, mas Peres deixa claro que o clube tem que ser protagonista, “cutucando” indiretamente o representante do lateral. 

“O Santos mudou a relação com empresários, empresário não manda mais no clube. Ele não manda, o clube tem sua própria soberania e vai ter de respeitar. Quem faz o preço do atleta somos nós. Tivemos a venda do Vecchio e foi no mais alto nível. A gente quer 30% (futura venda) e mais X de dinheiro. Estamos há mais de 10 dias gladiando. Temos de pensar no clube”, finalizou Peres. 





Fonte: 90min