Presidente do Vasco pode acabar preso caso o clube não pague dívida milionária

​Vasco volta a campo na tarde deste sábado para enfrentar o Grêmio, em jogo válido pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2019. No entanto, a partida em Porto Alegre, a primeira após a pausa da Copa América, está longe de ser a única preocupação da direção. Por conta de uma dívida com uma empresa, o presidente Alexandre Campello pode acabar sendo preso caso o clube não efetue o pagamento.

OLance! revelou que a “Marcelo D Araújo Fornecimento de Alimentos” entrou com um pedido de prisão em até 72h do mandatário se o pagamento total não for realizado. Os valores somam R$ 3,5 milhões. O caso está nas mãos do juiz da 34ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), que vai decidir se acata ou não o pedido. Ao todo, a empresa move três processos contra o clube no TRJF.

O advogado Gabriel Brasil, que assina a petição do processo a respeito da possível prisão de Campello, explicou o caso e destacou que o Vasco não demonstrou interesse em quitar os valores. “Não houve nenhuma tratativa ou empenho do Vasco em honrar a dívida, pelo contrário, o processo tinha sido saneado por meio de acordo extrajudicial que o Vasco optou por parar de pagar para seguir uma linha de interpretação própria que fugia da lei e do que fora acordado entre as partes. Neste processo o Vasco alegou que estava exercendo seu direito de retenção previsto no acordo extrajudicial firmado entre as partes, que poderia ser utilizado caso o Vasco fosse compelido a pagar na esfera trabalhista a mesma valor abrangido pelo acordo”, disse Brasil ao Lance!.

“Não foi o que aconteceu, o Vasco restou condenado na esfera trabalhista ao pagamento de funcionários e contratos que fugiam ao objeto do acordo e trouxe aos autos algumas ordens de penhora ao invés da efetiva prova de pagamento. Em uma dessas ordens de penhora, o juízo trabalhista determinou o depósito sob pena de prisão, afinal desobedecer comando judicial é um tipo penal no direito pátrio e foi justamente o que pedimos“, prosseguiu o advogado.

Gabriel Brasil esclareceu que a “Marcelo D Araújo Fornecimento de Alimentos” não tem nenhum interesse político no Vasco, apenas busca que o clube honre com suas responsabilidades. Além dos R$ 3,5 milhões ajuizados, a empresa cobra outros R$ 300 mil em processos a ajuizar na Justiça. O Cruz-maltino optou pelo silêncio e informou que não se pronuncia a respeito de pedidos de advogados.





Fonte: 90min