Sede do Cruzeiro é alvo de buscas da Polícia Civil em BH; entenda a situação

​O ambiente interno do Cruzeiro segue conturbado. A dois dias de a equipe voltar a campo após o período de pausa no calendário para a disputa da Copa América, a Polícia Civil de Minas Gerais compareceu à sede do clube na manhã desta terça-feira (9). Na próxima quinta-feira (11), o time do técnico Mano Menezes recebe o rival Atlético-MG, às 19h15min, pela ida das quartas de final da Copa do Brasil.

Próximo das 8h, oito carros policiais bateram à porta da agremiação, no Barro Preto, região central de Belo Horizonte. A diretoria do Cruzeiro, assim como empresários e membro de torcidas organizadas, vêm sendo alvo de investigações nas últimas semanas, principalmente após a divulgação de uma reportagem no programa Fantástico, da Rede Globo, exibida no domingo dia 26 de maio de 2019. 

O principal objetivo da Polícia Civil foi encontrar documentos falsos, práticas como falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, conforme denúncias recebidas. Vivendo uma das maiores crises institucionais de sua história, o Cruzeiro também é investigado pelo Ministério Público. A atual gestão do clube, com nomes como Wagner Pires de Sá (foto), presidente, Itair Machado, vice de futebol, e Sérgio Nonato, diretor-geral, aumentou a dívida do clube para R$ 520 milhões.

Entre as irregularidades cometidas, a Raposa foi denunciada por repassar partes de direitos de atletas como pagamento de empréstimo a um empresário. Também visando sanar tal dívida, o clube cedeu direitos de um garoto de apenas 12 anos, ato ilegal – só é possível manter contrato com jovens acima de 16 anos. Além de tudo isso, pesa contra a diretoria a acusação de que teria mentido no balanço financeiro, o que infringe a lei brasileira.





Fonte: 90min