FPI do São Francisco devolve 114 animais silvestres à natureza

114 animais silvestres foram devolvidas ao seu habitat natural na manhã desta quarta-feira ( 7) pelos componentes da equipe Fauna da Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco ( do São Francisco). As espécies foram resgatadas durante os primeiros dias de atividades da força-tarefa e passaram pelo centro de triagem montado especialmente para receber os animais encontrados durante as ações da fiscalização.

Os animais que reconquistaram a liberdade são das espécies galo de campina, azulão, caboclinho, sanhaço e tico-tico. Também voltaram a seu habitat natural quatro jabutis.

Eles foram soltos, na região do agreste alagoano, pela equipe fauna, que é formada por técnicos do IMA, IBAMA, IPMA (Instituto de Preservação da Mata Atlântica) e do Batalhão da Polícia Ambiental da PM de Alagoas.

O coordenador da equipe fauna e gerente de fauna, flora e de unidades de conservação do IMA, Epitacio Correia, destacou que o local de soltura dos animais foi escolhido por atender uma série de pré-requisitos.

“A área escolhida precisa ter uma margem de segurança , longe da área urbana. Além disso, o local deve ser preservado para que haja meios de sobrevivência para os bichos, principalmente nos primeiros dias, se adaptar de uma maneira mais confortável”, explicou.

Ele ressaltou ainda a importância dessas espécies estarem de volta na natureza. “Lembramos que os animais presos estão em sofrimento. Também é bom destacar que todos tem função suas funções em seus habitat. As aves espalham sementes, que fazem o florestamento das regiões o que influencia, por exemplo, no não assoreamento das margens do rio. E isso é apenas um recorte do inúmeras funções de uma ave na natureza”, afirmou.

Foto: Jonathan Lins

Centro de Triagem

Nos dois primeiros dias da FPI do São Francisco foram resgatados mais de 200 animais que viviam em situação de cativeiro. Eles são encaminhados para o centro de triagem da FPI onde estão recebendo os devidos cuidados veterinários que incluem alimentação, hidratação, desverminação e suplementação vitamínica.

Foto:Jonathan Lins

“Na triagem é feita a contabilização das espécies e iniciado o atendimento veterinário com avaliação do estado físico, comportamental. Os bichos passam por um processo de anilhamento por amostragem e com isso nós temos um controle de quantos animais foram soltos e onde isso aconteceu”, completa o coordenador da equipe fauna.