‘Não senti que fui um traidor ao ir para o Milan, mas sim que fui traído pela Inter’


Quando deixou o PSV, Ronaldo foi para a Internazionale, onde conquistou a torcida e ganhou o apelido de Fenômeno. De lá, foi para o Real Madrid e, quando voltou à Itália, em 2007, desembarcou no rival de seu ex-time, o Milan.

Mas ele não se sente um traidor. Ao contrário, acredita ter sido traído pela Internazionale, conforme disse em entrevista à Sportweek, revista do jornal Gazzetta delo Sport.

“Parece fácil dizer agora, mas é a verdade: naquela época, eu realmente queria voltar à Inter. Eu fiz o que pude para isso. Esperei o máximo possível, mas quando a Inter não me disse nem sim, nem não, na verdade era um não”, disse o craque.

Ronaldo, por outro lado, foi muito bem tratado pela diretoria do Milan, de quem se recorda até hoje com carinho.

“Não deu muito certo, mas o Silvio Berlusconi e principalmente o Adriano Gallliani demonstraram se importar muito comigo, pricipalmente o Galliani”, disse.

“O relacionamento com eles era ótimo e é uma memória que me faz sorrir até hoje”, disse.

O ex-jogador do Corinthians comentou o “renascimento” da Inter, agora sob a direção da família Zhang, e atorcida pelo time no Campeonato Italiano.

“Eu confio na família e tenho o mesmo sonho de todos os torcedores da Inter. Com todo respeito à Juventus, um exemplo na Itália de como se deve administrar um clube e estabelecer uma era, mas é a hora de a ditadura da Serie A chegar ao fim. É a hora da Inter, não vejo outra opção”, disse.

Fonte: ESPN

Comentários