veja entrevista exclusiva com Pablo Marí


No próximo dia 29, Pablo Marí completará um ano de seu anúncio como novo jogador do Arsenal. Desde então, muita coisa aconteceu na vida do espanhol, embora ele tenha entrado em campo apenas nove vezes.

Retorno à Europa, lockdown, lesão séria no tornozelo e um recomeço. Se o zagueiro não teve muitas chances de jogar muito e nem de viver as atmosferas dos estádios cheios da Premier League, ele, por outro lado, usou esse período como uma forma de se preparar para o que viria.

“Foi um ano muito complicado, mas ao final desfrutei muito deste período. Sempre tem que aprender coisas. E aprendi que, quando se trabalha duro todos os dias, ao final consegue uma recompensa”, afirmou o atleta de 27 anos em entrevista a João Castelo-Branco, repórter dos canais ESPN.

“Minha recompensa é estar muito bem fisicamente, creio que é o meu melhor momento na minha carreira futebolística, graças aos preparadores físicos e a todos do staff que tivemos aqui, que me ajudaram durante seis meses.”

Depois de ter estreado oficialmente pelo Arsenal no começo de março, Marí sofreu uma lesão em seu terceiro jogo (todos como titular) e perdeu o restante da última campanha e do início da atual. Seu retorno à equipe principal ocorreu apenas em dezembro.

“Trabalhei muito duro durante muito tempo, inclusive houve vezes durante minha lesão que trabalhei de manhã e à tarde em minha casa para estar preparado e mais forte. Na minha cabeça, eu me levantava cada manhã prensando que, no momento depois de minha lesão, que me dessem a oportunidade de jogar, tinha que aproveitá-la. Tinha que pegar essa oportunidade e não soltá-la”, afirmou.

O camisa 22 dos Gunners fez exatamente o que se preparou para fazer.

Primeiramente, ele foi titular nas duas últimas rodadas da fase de grupos da Liga Europa e, inclusive, fez seu primeiro gol pelo clube na vitória sobre o Rapid Viena por 4 a 1.

Agora, Marí vem de uma sequência de quatro partidas atuando todos os minutos, sendo três confrontos pela Premier League e um pela Copa da Inglaterra. O time londrino ganhou todos e deixou para trás uma sequência de sete partidas sem triunfos (cinco derrotas e dois empates) no Ca,peonato Inglês. A série negativa acabou com um triunfo por 3 a 1 sobre o Chelsea, no qual Marí foi titular pela primeira vez nesta edição da Premier League.

“Tínhamos um vestiário que todo mundo estava remando para o mesmo lugar, para mudar essa dinâmica o mais cedo possível, mas os resultados que precisávamos não chegavam. Creio que antes do jogo com o Chelsea tivemos partidas que merecíamos mais, mas não conseguimos a vitória para dar esse ar à equipe, para mudar essa dinâmica. Contra o Chelsea conseguimos, foi uma partida de inflexão”, disse o ex-zagueiro do Flamengo.

Por falar no clube carioca, o defensor respondeu sobre o time pelo qual foi campeão nacional e da Libertadores, mas também comentou sobre ligações com o Brasil referente à sua equipe atual. Uma destas relações se dá com Gabriel Martinelli, promissor atacante de 19 anos, com quem conviveu bastante em seu primeiro ano no Arsenal.

“Falando dele como futebolista, creio que tem algo diferente, creio que seja um talento distinto ao que estamos vendo. Eu tive a oportunidade de conhecê-lo a fundo durante esses meses de lesão que trabalhamos juntos quase todos os dias, sei da qualidade de pessoa que é, é uma pessoa maravilhosa. É um rapaz que é muito profissional, gosta de vir trabalhar, de trabalhar duro, sempre está pensando nos demais, é um rapaz muito humilde.”

Vivendo boa fase na questão física e participando ativamente do período de recuperação do Arsenal, Marí espera dar sequência a este bom momento individual e coletivo nesta quinta-feira, quando os Gunners recebem o Crystal Palace às 17h (de Brasília), pela Premier League. O jogo tem transmissão do FOX Sports.

play

1:07

Zagueiro do Arsenal conversou com João Castelo-Branco, repórter da ESPN Brasil

Fonte: ESPN