Atualidades: Entenda a importância do gelo do mar Ártico


O Ártico tem sofrido muito atualmente. Afinal, as temperaturas estão subindo duas vezes mais que a taxa global, gerando uma série de mudanças diferentes de qualquer coisa vista na história registrada.

Conheça a seguir 5 razões pelas quais o gelo do Ártico é importante!

Reflete a luz do sol

Ao regular o calor polar, o gelo marinho também afeta o clima em todo o mundo.

Isso porque os oceanos e o ar atuam como motores térmicos, movendo o calor para os polos em uma busca constante pelo equilíbrio. Uma forma é a circulação atmosférica, ou o movimento do ar em grande escala.

Outro método mais lento ocorre debaixo d’água, onde as correntes oceânicas movem o calor ao longo de uma “correia transportadora global” em um processo chamado circulação termoalina. Alimentado por variações locais de calor e salinidade, isso impulsiona os padrões climáticos no mar e na terra.

O declínio do gelo marinho tem dois efeitos principais nesse processo. Primeiro, o aquecimento dos polos interrompe o fluxo geral de calor da Terra ajustando seu gradiente de temperatura.

Em segundo lugar, os padrões de vento alterados empurram mais gelo marinho em direção ao Atlântico, onde se derrete em água doce fria. A água do mar expele sal à medida que congela.

Como menos salinidade significa que a água é menos densa, o gelo marinho derretido flutua em vez de afundar como água salgada fria.

E como a circulação termoalina precisa de água fria e afundando em altas latitudes, isso pode interromper o fluxo de água quente e ascendente dos trópicos.

Isola o ar

Por mais frio que seja o Oceano Ártico, ainda é mais quente que o ar no inverno. O gelo marinho atua como isolamento entre os dois, limitando a quantidade de calor irradiado.

Junto com o albedo, esta é outra maneira pela qual o gelo marinho ajuda a manter o clima frio do Ártico. Mas, à medida que o gelo marinho derrete e racha, ele fica pontilhado de lacunas que permitem que o calor escape.

Mantém o metano sob controle

O calor não é tudo o que escoa através do gelo marinho fraco. Os cientistas sabem há muito tempo que a tundra ártica e os sedimentos marinhos contêm grandes depósitos congelados de metano, representando um risco climático se eles degelarem e liberarem o potente gás de efeito estufa. Mas em 2012, pesquisadores do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA descobriram “uma nova fonte surpreendente e potencialmente importante” de metano do Ártico: o próprio Oceano Ártico.

Voando ao norte dos mares de Chukchi e Beaufort, os pesquisadores encontraram vapores misteriosos de metano que não podiam ser explicados por fontes típicas como pântanos, reservatórios geológicos ou instalações industriais.

Percebendo que o gás estava ausente sobre o gelo marinho sólido, eles finalmente rastrearam sua origem nas águas superficiais expostas pelo gelo quebrado.

Eles ainda não sabem ao certo por que existe metano na água do mar Ártico, mas micróbios e sedimentos do fundo do mar são provavelmente os suspeitos.

Leia também – Metano: O poderoso gás de efeito estufa

Apoia a vida selvagem nativa

A perda do gelo marinho transformou os ursos polares em crianças-propaganda das mudanças climáticas, e o sapato infelizmente serve. Como as pessoas, eles estão no topo da teia alimentar do Ártico, então sua situação reflete uma série de problemas ecológicos.

Eles não são apenas atingidos diretamente pelo aquecimento, que derrete as jangadas de gelo que usam para caçar focas, mas também sofrem indiretamente os efeitos em suas presas.

As focas árticas, por exemplo, usam o gelo marinho como tudo, desde uma maternidade e creche até uma cobertura para perseguir peixes e fugir de predadores.

As morsas também o usam como um lugar para descansar e se reunir, então sua ausência pode forçá-los a superlotar as praias e nadar mais longe para encontrar comida.

O caribu supostamente caiu através do gelo marinho fino durante a migração, uma das muitas ameaças que os resistentes herbívoros enfrentam devido às mudanças climáticas.

E então, gostou de conhecer o tema?

Não deixe de ler também – Atualidades: Causas e consequências dos incêndios no Ártico

Fonte: Notícias Concursos