Caso Rhaniel: criança foi espancada e asfixiada; Perícia recolheu material biológico

A Perícia Oficial de Alagoas divulgou no final da manhã desta sexta (14) a causa da morte do menino Rahniel Pedro Laurentino da Silva, 10 anos. Segundo o lado do IML, o menor foi vítima de asfixia por aspiração de sangue, em decorrência de ferimentos provocados por instrumento contundente. Durante o exame de necropsia, foram…

A Perícia Oficial de Alagoas divulgou no final da manhã desta sexta (14) a causa da morte do menino Rahniel Pedro Laurentino da Silva, 10 anos. Segundo o lado do IML, o menor foi vítima de asfixia por aspiração de sangue, em decorrência de ferimentos provocados por instrumento contundente.

Durante o exame de necropsia, foram constatadas lesões na região craniana e na face da vítima. A análise cadavérica encontrou ainda hematomas na região do tórax e no interior da boca, a qual teria provocado a asfixia que gerou a morte da criança.

Também foram coletados materiais biológicos na mucosa anal e na região peniana que apresentavam lesões para posterior exames laboratoriais. A perita médica legista responsável pela necropsia irá analisar todos os vestígios e indícios encontrados no corpo da criança para redigir o laudo cadavérico. O prazo para o documento ficar pronto e ser a entregue a delegacia que investiga o caso são de 10 dias.

O caso

O menino Raniel Pedro Laurentino da Silva, de apenas 10 anos, que desapareceu na manhã desta quarta (12), no Clima Bom, foi encontrado morto nas primeiras horas da manhã desta quinta (13), no mesmo bairro. O menino saiu de casa para ir ao reforço escolar, mas nunca chegou à residência da professora.

A família, ao perceber a ausência, iniciou apelos nas redes sociais e veículos de comunicação, mas a busca terminou de forma trágica. O menino foi encontrado em meio a entulhos, enrolado em um lençol, na Rua Doutor Murilo Cardoso Santana, por volta das 5h30. Informações extraoficiais dão fala que há sinais de violência sexual, mas apenas o exame da necropsia irá confirmar o estupro. A criança ainda apresentava lesões pelo corpo, além de sangue no local.

Fonte: Alagoas24horas