Contra reservas do Bragantino, Ponte teve mais eficiência nos pênaltis


Paulista

Contra reservas do Bragantino, Ponte teve mais eficiência nos pênaltis, novamente

Adversário da final sai do jogo entre Novorizontino x Ituano

Publicado em 16/05/2021
por ARIOVALDO IZAC – –

Há duas leituras sobre este avanço da Ponte Preta à final do Troféu do Interior, após levar vantagem sobre o Bragantino na definição através de cobranças de pênaltis (4 a 2), com empate por 1 a 1 no tempo normal, na noite deste domingo, em Bragança Paulista.

Fanáticos torcedores comemoram vitórias independentemente das circunstâncias, e creem em evolução da equipe para a decisão de título contra Novorizontino ou Ituano, no campo do adversário, em data e horário ainda a serem definidos pela Federação Paulista de Futebol.

IDEIA COMPARTILHADA
Incontáveis pontepretanos acompanham a linha de raciocínio do parceiro João da Teixeira, quando cita a possibilidade de acomodação dos dirigentes do clube à reformulação da equipe visando à Série B do Campeonato Brasileiro, por julgarem que o avanço de fases no Troféu do Interior sugere melhoria de rendimento da equipe, o que não condiz com a realidade.

Diferentemente de que afirmam parceiros, o Bragantino não mandou a campo equipe alternativa, que seria mesclagem de titulares e reservas.

Foram escalados apenas jogadores reservas e sequer ficaram no banco titulares como os atacantes Ytalo e Arthur, meia Claudinho e laterais Edmar e Aderlan. Portanto, a prioridade absoluta do treinador Maurício Barbieri é o jogo de terça-feira contra o Talleres da Argentina.

CORRERIA

Ninguém ignora que os jogadores da Ponte Preta têm corrido, se doado na marcação e, mesmo sem coordenação, buscam jogadas ofensivas.

Problema é a limitação técnica da equipe e a falta de uma padrão tático que lhe dê mais sustentação.

Por isso, uma equipe de reservas, como a do Bragantino, criou embaraço à Ponte Preta, a começar pela abertura no placar logo aos três minutos, quando o improvisado lateral-esquerdo Felipe Albuquerque levou bola nas costas, e na tentativa de cobertura o zagueiro Ruan Renato perdeu na velocidade para o atacante Helinho, do Bragantino, que cruzou para Chrigor completar.

Detalhe: goleiro Ygor Vinha saiu para fechar o ângulo e deixou o gol aberto.

E outra jogada de velocidade, agora com Gabriel Novaes, o Bragantino só não ampliou porque o seu jogador, na cara do gol, desperdiçou.

Por sinal, as duas equipes priorizaram jogadas pelo lado direito de seu ataque.

Se do lado do Bragantino Helinho confundia a marcação de Felipe Albuquerque, a Ponte igualmente usava as avançadas de seu lateral-direito Apodi, como aos 22 minutos quando ele criou jogada para finalização de Moisés, travado oportunamente por Cuello.

FALHA DE LÉO REALPE

Aparentemente o jogo estava controlado pelo Bragantino, até que numa hesitação do zagueiro Léo Realp, Moisés se aproveitou para finalizar, goleiro Júlio César espalmou a bola que ainda tocou no travessão, sendo que na queda, em descuido de Weverson, o atacante pontepretano Paulo Sérgio tocou na bola e marcou o gol de empate, aos oito minutos.

Depois, como se previa que o Bragantino fosse se lançar ao ataque em busca da vitória, a Ponte adotou a postura de contra-atacar.

Foi aí que surgiram duas chances para cada lado, com Ygor Vinhas praticando duas defesas em finalizações do atacante Luis Phelipe.

Pela Ponte, Bruno Michel, que havia substituído Renatinho, exigiu defesa do goleiro Júlio César, enquanto o meia Tales, que puxou contra-ataque, chutou bola pra fora em chance clara para definir o placar favoravelmente à sua equipe.


Fonte: Futebol Interior