E Amanhã O Mundo Todo: crítica do filme da Netflix



A Netflix estreou nesta quinta-feira (06) um filme chamado “E Amanhã… O Mundo Todo”, um drama produzido na Alemanha que toca em questões políticas que soam bem atuais, apesar de se passar nos anos 80.

O longa é estrelado por Mala Emde e pode suscitar discussões a respeito da ascensão política de grupos extremistas, e põe em discussão qual é o limite da tolerância àqueles que promovem um discurso de ódio. Veja a crítica abaixo:




A história acompanha Luisa (Mala Emde), uma jovem de classe média com 20 anos e que está no primeiro ano do curso de Direito. Ela percebe que grupos de extrema-direita tem ganho espaço junto à população e começa a se preocupar com essa situação.



Então, ela resolve se juntar, acompanhada de alguns amigos, a um grupo que se opõe a políticas de direita. Muitos membros justificam o uso de violência como um meio legítimo de luta. Luisa, então, precisa tomar uma decisão: ficar e lutar ou sair e se isentar?

“E Amanhã… O Mundo Todo” é dirigido por Julia von Heinz, que usou suas próprias experiências para escrever o roteiro desse thriller político que prende a atenção por conta das situações tensas vividas por seus personagens, e não só no que diz respeito a luta política.

  • Netflix
  • Entretenimento
  • E Amanhã O Mundo Todo
  • Crítica

Fonte: Bola Vip