Estudo aponta que exercícios físicos podem elevar eficácia das vacinas contra covid-19



Desde 2020 o mundo vive a pandemia da covid-19, que mudou a rotina da maioria dos cidadãos. Uma das mudanças sofridas se deu na prática de atividades físicas: muitas pessoas pararam de se exercitar por causa do isolamento social. Porém, pesquisas já mostram a importância dos exercícios para a prevenção de casos graves da doença e também para a produção de anticorpos após a vacinação. 

Porém, um novo estudo aponta uma importância ainda maior dessa rotina saudável. Uma pesquisa publicada em abril na revista Sports Med associa a prática regular de atividade física a um maior número de anticorpos após a vacinação.  

Além disso, o estudo que reuniu pesquisadores de universidades inglesas, escocesas, belgas e espanholas, ainda demonstra uma redução de 31% no risco de infecções e de 37% na chance de morte em função das mesmas.  

“A atividade física regular fortalece o sistema imunológico do ser humano, reduz em mais de um terço o risco de adoecer e morrer de doenças infecciosas”, comenta Guilherme Reis, Coordenador Geral da Rede Alpha Fitness.  

Opte por realizar as práticas em lugares arejados e use máscara | Reprodução: Pixabay

O novo estudo reuniu os dados de mais de 500 mil pessoas e conseguiu chegar às seguintes conclusões:  

– Praticar 30 minutos de atividade física durante cinco dias por semana reduz em 31% o risco de adquirir infeções fora do ambiente hospitalar.

– Há também a redução de 37% do risco de adoecer e morrer de doenças infecciosas.  

– Nos ensaios clínicos, as vacinas parecem mais eficazes se forem administradas após um plano de atividade física. Uma pessoa que é fisicamente ativa tem 50% maior probabilidade de ter uma contagem de anticorpos mais alta após a vacina. 

  • O que é considerado uma prática de exercícios regular?

Porém, para que os benefícios da atividade física sejam conferidos, é necessário praticar com consistência. Exercício físico regular significa praticar de três a cinco vezes na semana, entre 30 e 90 minutos por dia; alcançar um mínimo de 150 minutos semanais, mas de preferência 300 minutos semanais; e durante pelo menos quatro semanas para que os efeitos dessa atividade comecem a ser percebidos.  

A atividade física, assim como um medicamento, tem a dose certa recomendada, e tem que ser tomada dentro da sua “faixa terapêutica”. Em função dos resultados, chegou-se à conclusão de que os extremos são prejudiciais. Portanto o equilíbrio é de fundamental importância. 





Fonte: iBahia