Governo aumenta projeção do salário mínimo para 2022. Veja valor


O Governo Federal está aumentando neste momento a projeção para o salário mínimo de 2022. E quem está dizendo isso é a própria Secretaria de Política Econômica (SPE). Trata-se portanto de um órgão do Ministério da Economia. Hoje, o valor é de R$ 1.100.

A SPE divulgou novos dados sobre a estimativa da inflação. Eles fazem essa medida tomando como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). De acordo com o órgão, aconteceu uma elevação dessa estimativa de 4,27% para 5,05%

Essa quantidade de números e nomes complicados podem não ajudar a entender muito a situação. No entanto, o que o trabalhador precisa saber é que tudo isso significa um possível aumento maior do salário mínimo para 2022. Isso porque é justamente o INPC que faz a diferença nessa projeção.

E de quanto ficaria esse salário? Se tudo continuar como está, o valor do mínimo em 2022 será de R$ 1.155,55. Vale lembrar que estamos falando apenas de uma projeção do SPE. Nada disso é concreto ainda. No entanto, não deixa de ser um número que anima boa parte dos trabalhadores.

De todo modo, não haverá ganho real nesse valor. É que de acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO), a correção do salário deverá acontecer sempre pela inflação. É justamente por isso que as projeções do valor do mínimo variam tanto durante o ano.

Salário Mínimo

Todos os anos há sempre uma grande discussão em torno do valor do salário mínimo no Brasil. Desde que chegou ao poder, o Presidente Jair Bolsonaro e sua equipe econômica optaram por não darem um aumento real nessa renda para os trabalhadores.

Como dito, eles seguem apenas a lógica da inflação. Em tese, esse tipo de situação faz com que o salário apenas reponha perdas. Em bom português, isso significa dizer que o trabalhador vai ganhar mais, mas ao mesmo tempo vai gastar mais porque os produtos sobem de preço.

Então no final das contas, esse empregado vai ter um aumento de salário, mas não vai sentir muita diferença. É daí portanto que se fala que o trabalhador não vai ter um “aumento real” do dinheiro que ganha mensalmente. No entanto, todas essas projeções podem mudar.

Cesta básica

Na situação atual, uma cesta básica para quatro pessoas normalmente compromete boa parte do salário mínimo do país. Em alguns lugares, quase metade dessa renda some só no processo de compra dessa comida. Uma cesta básica em São Paulo, por exemplo, costuma ultrapassar dos R$ 600 com muita facilidade.

Isso quer dizer portanto que um trabalhador que vive com um salário mínimo na cidade de São Paulo tende a ter uma dificuldade grande para sobreviver. Isso porque dá para dizer que metade dessa renda vai para a comida e a outra metade serve para pagar todos os outros gastos.

Há de se lembrar, por exemplo, de pagar as despesas como água, luz e aluguel. Além disso, há os gastos com estudos e compra de produtos de limpeza e de higiene pessoal. No final das contas, o trabalhador precisa achar espaços no orçamento para conseguir arcar com todas as despesas.

Fonte: Notícias Concursos