Série B: Com 48% de aproveitamento, Mazola Júnior revela os segredos


Brasileiro

Série B: Com 48% de aproveitamento, técnico revela as dificuldades na competição

Mazola Júnior participou nos últimos dez anos, desde 2011, de todas as edições da Série B, com destaque para acesso com Sport

Publicado em 21/05/2021
por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 21 (AFI) – Depois de ficar ausente dos estaduais e aproveitar para se dedicar a alguns problemas familiares, o técnico Mazola Júnior espera em breve estar dirigindo algum clube, de preferência na Série B do Brasileiro, onde tem um retrospecto altamente positivo.

“Já conversei com dois clubes, porém, não houve acerto. A questão principal não é financeira, mas sim o meu desejo de abraçar uma proposta de trabalho interessante” – diz o técnico, que não esconde a motivação em iniciar a temporada em condições de sonhar mais alto.

Mazola Jr: 48% de aproveitamento na Série B

Mazola Jr: 48% de aproveitamento na Série B

“Tive que dar uma assistência ara minha mãe e também me desliguei nesta pandemia. Mas, graças a Deus, tudo já está melhor e estou com ânimo renovado para voltar ao batente” – completou.

BEM NA SÉRIE B
Mazola Júnior participou nos últimos dez anos, desde 2011, de todas as edições da Série B. Foram 160 jogos e um aproveitamento de 48%,
com destaque para o acesso com o Sport Recife em 2012, além da grande campanha com o CRB em 2016.

Em 2014 também subiu com o Paysandu, mas então da Série C para a Série B.

O próprio Mazola Júnior acha que a análise fria dos números nunca é completa “porque todos os objetivos devem ser cumpridos, independente de percentual, porque as vezes a gente atende clubes em dificuldade”. É o caso do Criciúma, que livrou do rebaixamento para a Série C.

PLANEJAMENTO
No caso da Série B, o técnico ressalta que o importante “é ir bem, somar pontos, na primeira fase da competição”.

E justifica que depois os clubes que não se planejam começar a se reforçar, existem aqueles que brigam para não cair e “isso gera uma nova competição dentro da própria competição”.

A carreira de técnico, iniciada em 2003 e prolongada até 2008, em Portugal, já tem 18 anos com passagens por alguns clubes paulistas como Ponte Preta, Bragantino, Botafogo e Ituano. Um total de 450 jogos. Uma bagagem suficiente para aceitar grandes desafios.


Fonte: Futebol Interior