Sob pressão, Miguel Ángel Ramírez garante no Inter: ”Não me afeta”


Gaúcho

Sob pressão, Miguel Ángel Ramírez garante no Internacional: ”Não me afeta”

Técnico se mostra tranquilo, diz que conversou muito com a direção do clube e espera manter seu trabalho a médio prazo

Publicado em 23/05/2021
por Agência Futebol Interior

Porto Alegre, RS, 23 (AFI) – Perder um título é duro, pior ainda quando o vencedor é seu maior rival. Os jogadores do Internacional perderam a estribeira no final do clássico Gre-Nal, no empate por 1 a 1 que deu ao Grêmio o tetracampeonato gaúcho.

Dentro de campo houve muitas reclamações em cima da arbitragem e nos bastidores uma pressão para a queda do técnico Miguel Ángel Ramírez. O nome pedido pelas torcidas organizadas é de Lisca, do América-MG.

Com a ausência dos jogadores na entrevista coletiva, sobrou pra o próprio técnico tentar se defender das críticas. Ele garantiu não temer por sua demissão.

“Não me preocupa nada. Não me afeta. Peguei o time com números espetaculares no Brasileiro (vice-campeão) e classificado na Libertadores. Mas ainda não tive tempo de trabalhar como estava planejado” – afirmou.

RAMIREZ: Derrotas podem servir de lição

TUDO BEM CONVERSADO
Segundo ele, quando chegou ao clube tudo foi bem discutido com a direção.

“Me reuni com minha comissão técnica, com o executivo de futebol e com a direção. Apresentamos vários nomes e o clube está trabalhando nisso. São peças que podem reforçar o nosso grupo”.

Segundo Ramírez, a perda do título estadual deve servir como uma lição.

“Minha maior motivação é responder para estas pessoas que estão tristes pela derrota” – reforçou, na confiança de que vai seguir seu trabalho na frente do elenco colorado.

Indagado sobre a ausência do zagueiro Victor Cuesta, por lesão, sofrida na quita-feira no jogo contra o Olímpia, pela Copa Libertadores, o técnico foi enfático.

“Era o melhor a fazer. Ele sentiu uma lesão e não poderíamos correr o risco de perdê-lo indefinidamente”.

Ramirez diz que trabalho só está começando

Ramirez diz que trabalho só está começando

CONTROLE EMOCIONAL
Sobre o jogo, o técnico negou que o time tivesse perdido o controle emocional.

“Não me pareceu. São reações que acontecem em campo devido a rivalidade. Senti o controle, o bom entendimento dentro de campo. A gente sabia que seria difícil ganhar, realmente complicado. Eles (Grêmio) tem uma boa equipe. Fomos superiores quando estávamos 11 contra 11” apontou, se referindo à expulsão de Yuri Alberto que se desentendeu com Rafinha do Grêmio.

Ambos foram expulsos nos minutos finais do primeiro tempo.


Fonte: Futebol Interior