Babu Santana fala do trabalho como diretor e de como vê seu papel no combate ao racismo



No ar em “Salve-se quem puder”, Babu joga nas onze quando o assunto é arte: é ex-bbb, ator, cantor e também trabalha por trás das câmeras. Pois é. O artista de 41 anos é o nome por trás do roteiro e direção do clipe para a música “Me falta ar”, cuja temática é o combate ao racismo. De acordo com ele, rechaçar o preconceito e abrir o diálogo. Babu não titubeia ao falar no assunto, pois, como o próprio define, é sua missão.

“Vejo como uma missão, usar a arte para abrir diálogo, reivindicar e sensibilizar. Meu papel é lutar ao lado dos meus, celebrando a potência da minha ancestralidade”, diz ele.

A música, para qual Babu dirigiu o clipe, são dos artistas do Manuh Silva e Kowl, também autores da canção. A obra retrata o racismo e os conflitos sociais gerados por ele, tomando como referência desde a violência policial nas comunidades até o caso, mundialmente repercutido, de George Floyd, sufocado por policiais americanos e o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).

“Essa música é uma denúncia de um país racista, que olha a população preta com desprestígio. E é por isso, e pela violência e injustiça, que a falta de ar é diária, mas somos e faremos resistência. São nossos sonhos, famílias, arte, que pedem respeito e igualdade”, acrescenta Babu, cuja música foi lançada por seu próprio selo musical, a “Paizão Records”.

Diretor criativo de seu próprio selo, Babu comenta ainda sobre o trabalho por trás das câmeras: “Esse projeto me realiza muito pois tenho a oportunidade maravilhosa de trabalhar como roteirista e diretor. Inclusive, no meu selo ‘Paizão Records’, tenho estado muito nessas frentes, o que me deixa muito empolgado, porque são outras vertentes que exploro na arte, e o bom disso tudo também é poder fomentar debates sociais importantes.”





Fonte: iBahia