Elas comandam a sanfona: conheça a trajetória de Cris Lima e Japinha Conde


Foi-se o tempo em que a música era um espaço reservado somente para homens. É observada a presença cada vez maior de mulheres neste mercado, principalmente quando o assunto é forró. Donas da sanfona, vozes femininas ecoam entre os recordistas de reproduções nas plataformas digitais e, não menos importante, trazem a ótica do amor e da sofrência sobre um olhar antes restrito ao “jeito de amar” masculino.

Foto: divulgação

Em clima de São João, o iBahia conversou com as cantoras Cris Lima e Japinha Conde e traçou paralelos sobre a presença feminina no universo forrozeiro. Confira abaixo a trajetória das artistas.

1. Nascida e criada na sanfona: Cris Lima, a primeira cantora de Piseiro do Brasil

Foto: divulgação

Pioneira nesta mistura que é o forró com a sonoridade eletrônica, mais conhecida como “piseiro”, Cris Lima carrega no sangue o dom de animar festejos juninos. Filha de sanfoneiro, aos 14 anos já implorava para tocar com a família nos palcos. No entanto, ela viu a carreira decolar mesmo quando ingressou no grupo “Cheiro de Forró”, onde ganhou reconhecimento com a música ‘Julieta e Romeu’.

Segundo a artista, estar sempre trabalhando com os parentes a protegeu do machismo no mercado.

“O preconceito existe e a gente vê. Como sempre estive com meu pai e meus irmãos, estar nos palcos sempre foi algo natural para mim, eu era adolescente e me tornei mulher nos palcos. Acredito que nunca fui discriminada porque existia aquele negócio de proteção, sempre estava ao redor deles”, explica.

A artista acredita que existem diferenças na maneira como o amor é relatado nas letras cantadas por homens e por mulheres.

“Cantar sobre o amor é algo atemporal. As mulheres possuem a preocupação de trazer esse lado sentimental. Não que os cantores não façam, mas, quando falamos de amor, falamos com propriedade. Temos uma força que ninguém tira”, argumenta.

Para quem viveu épocas de fazer quatro shows em uma noite, passar o segundo São João distante dos palcos parece um pesadelo. “Eu tinha essa expectativa de que 2021 já poderíamos estar nos palcos. Mas, como isso não será possível, tentarei estar mais perto do meu público por meio das lives, que são as nossas únicas opções. A minha está marcada para o dia 27 de junho, 15hrs, no meu canal do Youtube“, declarou.

2. Pouca idade com talento: Japinha Conde

Foto: divulgação

“É muito casal fingindo que se ama e muito solteiro apaixonado”. Tem letras que podem perfeitamente fazer parte da trilha sonora de qualquer brasileiro, não é mesmo? Este é o caso de ‘Romance Desapegado’, sucesso que já ultrapassou mais de 243 milhões de visualizações no Youtube. De quem é a voz que está por trás desse hit? Lorraine Silva, ou melhor, Japinha Conde.

Aos 20 anos de idade, a cantora tem pouco tempo de carreira, mas muita história para contar e cantar. Natural do Rio de Janeiro, mais precisamente da Comunidade do Morro do ela cresceu ouvindo a caixa de som da mãe tocar.  Dona Rosa tirava o sustento de um bar na comunidade, onde tocava de tudo. Lá, Japinha conheceu diferentes ritmos, e, com o forró, foi amor à primeira vista.

“Tudo aconteceu de maneira natural. Aprendi a tocar violão sozinha e realizava algumas apresentações na região. Começaram a surgir algumas oportunidades de trabalho profissional com duas bandas cariocas, e só depois que veio a proposta de trabalhar no Conde do Forró”, declarou.

A cantora acredita que os tempos mudaram, e que a presença da mulher na música tem sido cada vez mais bem vista.

“Admiro muito as mulheres que conseguiram crescer e suportar esses comentários ofensivos. Acho que as coisas mudaram, e isso é muito importante para mim, que estou começando agora”, destaca.

Recém-chegada no mercado, Japinha ainda não teve a oportunidade de realizar grandes shows para público, mas não vê a hora disso acontecer. Mesmo em casa, ela promete novidades. “Aqueles que gostam de músicas românticas, se preparem”, alerta a jovem, que recentemente lançou ‘Garrafa Virada’, uma parceria com Xand Avião.

*Sob supervisão da repórter Isadora Sodré





Fonte: iBahia