No Paraná, ex-jogador acusado de matar dirigente vai a júri popular


Rolândia, PR, 29 (AFI) – O ex-jogador Vinicius Corsini, acusado de matar o empresário José Danilson, ex-presidente do Nacional-PR, irá para júri popular. Nesta segunda-feira (29), a Justiça determinou que ele seja julgado por homicídio, o acusado diz estar arrependido do crime, mas a defesa ainda irá recorrer.

Vinicius, cometeu o crime em Setembro de 2020. Vídeos mostram o ex-jogador pouco antes de cometer o ato. Após a realização, Vinicius foge em uma bicicleta depois de esfaquear o empresário que acabou falecendo posteriormente.

DEPOIMENTO

Em seu depoimento à policia civil, o réu disse não se lembrar dos atos, mas revelou o motivo que levou a cometer o crime. Corsini disse que estava revoltado por ver conversas de José Danilson com sua mãe e que ao conviver com dirigente com mais frequência, o ódio que sentia por ele aumentou.

Em 2018 encontrei uma mensagens no celular dela dizendo que ela [mãe] era bonita, que queria se encontrar com ela e outras coisas que não lembro muito bem – disse Vinicius Corsini, em audiência. “Não foi uma decisão tomada, digo que não lembro como as coisas aconteceram direito. Deu um apagão”, finalizou o acusado.

José Danilson, morto em Setembro de 2020. Foto: Divulgação/Nacional Atlético Clube

DEFESA

Após a decisão publicada nesta segunda-feira, o juiz criminal de Rolândia apontou que há motivos concretos para que o ex-jogador seja julgado por homicídio, e por isso deve ser levado a julgamento pelo Tribunal do Júri. A data ainda não está definida.

Por outro lado, a defesa do acusado defendeu que houve lesão corporal seguida de morte, crime que tem uma pena menor. O juiz ainda determinou que Vinicius Corsini continue preso.

Confira também:





Fonte: Futebol Interior