Pai e filha de 2 anos morrem em desabamento de prédio no Rio de Janeiro



Um homem e sua filha de 2 anos e 8 meses morreram no desabamento de um prédio de quatro andares em Rio das Pedras, Zona Oeste do Rio, ocorrido na madrugada desta quinta-feira. A mulher dele, Maria Quiaria Abreu Moita, de 26 anos, que estava no mesmo quarto em que seu marido e criança, foi retirada às 9h20m dos escombros pelos socorristas e levada de helicóptero para o Hospital Miguel Couto, no Leblon. Bombeiros de cinco quartéis participaram dos resgates com a ajuda de cães.

Segundo a Secretaria Municipal de Habitação, o imóvel que desabou era irregular.

Bombeiros removeram o corpo do marido de Maria Quiaria, Nathan Gomes de Souza, no início da tarde. Durante o trabalho do resgate, quando estava presa pelos quadris e pernas, Quiara conversou com os bombeiros. O secretário de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros, Leandro Monteiro, disse que a mulher informou aos militares que, com ela, estavam um homem e uma criança.

— Desde o momento em que chegamos aqui, três vítimas foram resgatadas, removidas para o Lourenço Jorge. Depois, tiramos uma senhora com vida, de aproximadamente 27 anos. A ambulância a levou até o nosso local de pouso, o helicóptero a removeu para o hospital Miguel Couto. Há pouco (por volta das 10h), tiramos uma criança feminina, entre 2 e 3 anos, sem vida. Eles estavam no mesmo cômodo.

Outras três vítimas foram levadas para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra. A Secretaria Municipal de Saúde informa que uma paciente de 28 anos continua internada com quadro estável. Já tiveram alta outra mulher com 38 anos e um homem com 29.

Cerca de 200 socorristas do Corpo de Bombeiros, de cinco quartéis estão trabalhando no local desde a madrugada.

Após a remoção do corpo de Nathan, por protocolo, os bombeiros fizeram uma última busca por possíveis vítimas que ainda pudessem estar no prédio. Por volta de 13h30m, equipes da Defesa Civil começaram a avaliar a estrutura e tirar fotos.

Por volta de 12h45, um poste próximo aos escombros caiu, chamando atenção dos bombeiros e assustando quem acompanhava a ação. Uma moradora, que se identificou como Creuza, que saiu às pressas, contou o desespero.

Foto: Reprodução/TV Globo

— Eu tive que sair correndo, pensei: “agora eu vou morrer” — relatou, mostrando um pequeno machucado no pé, que aconteceu no momento do susto.

Técnicos da Defesa Civil Municipal avaliam os danos que foram causados em outras quatro edificações (uma à direita e três à frente) e se haverá necessidade de outras interdições.

O prefeito Eduardo Paes e o governador Cláudio Castro estiveram no local. Os dois subiram juntos numa laje para ver os estragos da queda do prédio.

Thalita Galhardo, subprefeita da Zona Oeste, disse ser bem possível que mais  construções no entorno do prédio que desabou sejam irregulares:

— Eu tenho feito muitas vistorias de ocupações irregulares, prédios condenados pela Defesa Civil. Realmente o entorno ali tem muita ocupação irregular. É uma coisa muito difícil você tirar morador, mas infelizmente as construções aqui não tem legalidade e acaba acontecendo este tipo de acidente —  disse Thalita, em entrevista ao “Bom Dia Rio”.

O prédio que desabou fica na Rua das Uvas, esquina com Avenida Areinhas. Ruas no entorno do foram interditadas para os trabalhos de resgate. Moradores de imóveis vizinhos, ouvidos pelo G1, disseram que começaram a ouvir estalos por volta de 2h, e o imóvel ruiu por volta de 3h20. Também relataram que, após o desabamento, houve um incêndio no local. O fogo foi controlado pelos bombeiros.

Moradores também relataram que um outro imóvel, onde funcionaria uma lan house, foi afetada no momento do desabamento e o estabelecimento estaria lotado de jovens. Uma testemunha, porém, afirmou que todos foram retirados do local sem ferimentos.

Segundo um morador identificado como Luiz Fernando, houve o estrondo na madrugada, seguido de muito fogo. Ele disse que chegou a falar com o dono do prédio, sem identificar quem seria esse proprietário:

— Quando acordei, o prédio estava pegando fogo. Tinha caído tudo e ficou tudo destruído. O dono do prédio disse que a filha dele mora do lado e que teve que pular por causa do fogo. Eu vi muito tumulto mesmo.

De acordo com a prefeitura, atuam também no local agentes do Centro de Operações Rio (COR), Polícia Militar, Light, CET-Rio, Defesa Civil e Guarda Municipal. Foram acionadas ainda equipes da Naturgy, Comlurb, Subprefeitura de Jacarepaguá, Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (Seconserva), Secretaria de Ordem Pública, Secretaria de Infraestrutura e Secretaria Municipal de Assistência Social.





Fonte: iBahia