Cerca de R$ 249 milhões foram repassados indevidamente no auxílio emergencial de 2020


De acordo com um levantamento realizado pela Controladoria Geral da União (CGU) e pelo Tribunal de Contas da União (TCU), no ano passado, cerca de R$ 249 milhões foram repassados indevidamente pelo auxílio emergencial. Essa quantia equivale a 0,08% do valor total do financiamento, R$ 294 bilhões.

Do montante (R$ 249 milhões), segundo o Ministério da Cidadania, R$ 15 milhões já foram devolvidos. Em 2020, aproximadamente 68,2 milhões de pessoas foram contempladas pelo auxílio emergencial. Este ano, o número de beneficiários é de 39,3 milhões.

Após três meses de discussão, o Governo Federal começou a pagar o coronavoucher em abril deste ano. No entanto, para que fosse viabilizado foi necessário a implementação de condições mais restritivas, como o valor do benefício.

Na rodada atual, os segurados então recebendo valores variados de acordo com a composição familiar. Neste sentido, recebem R$ 150 os cidadãos que moram sozinhos, R$ 250 famílias compostas por duas pessoas ou mais e, R$ 375 famílias monoparentais chefiadas por mães solteiras.

Além disso, foi necessário aplicar no programa vigente, avaliações mensais nos cadastros dos beneficiários. Com o apoio do Dataprev, a cada parcela o Governo Federal têm verificado se os contemplados ainda correspondem aos critérios de elegibilidade ao benefício.

Desde o início dos pagamentos em 2021, cerca de 2 milhões de pessoas foram bloqueadas do auxílio emergencial através das verificações mensais. Dos 39,1 milhões de cidadãos inscritos em abril, 37,1 milhões receberam o benefício em junho.

Em síntese, o que permite o bloqueio ou o cancelamento do auxílio emergencial é a falta de cumprimento dos critérios de elegibilidade do programa. Entre os motivos que impulsionam a decisão negativa do Governo Federal, estão:

  • Passar a trabalhador com carteira assinada;
  • Passar a receber benefício previdenciário ou assistencial;
  • Aumento de renda mensal repentino;
  • Entre outros.

Confira as datas de pagamentos da 4ª parcela

Você Pode Gostar Também:

Confira o calendário referente a quarta parcela do benefício Auxílio Emergencial 2021 para os cidadãos cadastrados no CadÚnico, para a usabilidade online e física.

Sendo assim, a usabilidade digital se refere ao depósito na conta social da caixa, já a disponibilidade física se refere ao saque em espécie. Além disso, também é possível visualizar o calendário para o beneficiário do programa Bolsa Família, logo abaixo.

Calendário da quarta parcela do Auxílio Emergencial 2021 – público geral

Mês de nascimento do beneficiário Usabilidade digital Saque em espécie
Janeiro 23 de julho 13 de agosto
Fevereiro 25 de julho 17 de agosto
Março 28 de julho 19 de agosto
Abril 1 de agosto 23 de agosto
Maio 3 de agosto 25 de agosto
Junho 5 de agosto 27 de agosto
Julho 8 de agosto 30 de agosto
Agosto 11 de agosto 1 de setembro
Setembro 15 de agosto 3 de setembro
Outubro 18 de agosto 6 de setembro
Novembro 20 de agosto 8 de setembro
Dezembro 22 de agosto 10 de setembro

Fonte: Ministério da Cidadania

Calendário da quarta parcela do Auxílio Emergencial 2021 – Bolsa Família

número final do NIS Data do pagamento
1 19/07
2 20/07
3 21/07
4 22/07
5 23/07
6 26/07
7 27/07
8 28/07
9 29/07
0 30/07

Veja também: FGTS: Caixa deve liberar de uma vez dinheiro de 3 anos acumulado

Leia Também:

Está “bombando” na Internet:

Fonte: Notícias Concursos