Finalistas do ‘No Limite’ ressaltam o poder da força feminina no reality; ‘Me considero uma vitoriosa’, diz Elana | No Limite


Elana, Jéssica e Paula superaram tudo e todos em No Limite. Elas são finalistas do reality, ao lado de Marcelo Zulu, André e Viegas. Perto da final, que será na terça, 20/7, o trio feminino fala sobre a trajetória no programa e faz sua defesa pelo título de campeã da competição.

Paula, Jéssica e Elana: semifinalistas do ‘No Limite’ destacam poder da força feminina no reality — Foto: Globo

Elana diz que se considera a melhor em questão de convivência: ‘Sempre que via alguém triste ou se a gente perdia alguma prova, eu tentava animar’ — Foto: Globo

A piauiense disse que em questão de convivência ela era a melhor. “Essa eu mereço. Sempre que via alguém triste ou se a gente perdia alguma prova, eu tentava animar”, lembra ela.

Reveja quando Elana animou Marcelo Zulu após a derrota em uma prova:

Elana incentiva Zulu a se reerguer

Elana incentiva Zulu a se reerguer

Fã assumida de forró, ela só ficou chateada quando perdeu o luau com Wesley Safadão. Mas nada de se deixar abater, muito pelo contrário.

“Pensei: ‘bora animar a tribo para amanhã estarmos renovados’. E no meio de tanto perrengue, o alto-astral prevalecia”, defende.

Relembre o luau improvisado que Elana fez na tribo Carcará:

Elana faz seu próprio show

Elana faz seu próprio show

Quando se trata de merecimento do título, Elana é direta:

“Eu já me considero uma vitoriosa, mas sei que mereço muito porque tentei e dei o meu máximo em todas as provas, em tudo o que fiz. Além disso, preciso muito do prêmio para me ajudar a realizar um dos meus sonhos que é conseguir dar uma vida melhor para os meus pais”, defende.

Jéssica no décimo episódio do ‘No Limite’ — Foto: Globo

A personal trainer considera que o início na tribo Calango “foi um pouquinho desafiador”. Segundo ela, as pessoas da edição do BBB que ela participou eram muito próximas e as de outras edições, fortes para o jogo.

“No início, fiquei de fato em cima do muro porque queria manter o contato com o pessoal da minha edição, mas também queria conhecer pessoas novas. A Calango ficou muito separada em grupinhos desde o início”, observa.

Ao ser questionada sobre a prova mais difícil, a loira não tem dúvidas.

Com virada emocionante, Tribo Calango vence a Prova da Imunidade

Com virada emocionante, Tribo Calango vence a Prova da Imunidade

“Por falta de habilidade minha, a prova do arco e flecha foi muito difícil. Mas aquela outra em que a gente tinha que empurrar os caixotes foi disparada a mais difícil fisicamente”, disse.

Relembre a prova mais difícil para Jéssica:

Zulu e Viegas ganham imunidade na última disputa entre Calango e Carcará

Zulu e Viegas ganham imunidade na última disputa entre Calango e Carcará

Em relação ao título de campeã…

“Sou merecedora porque me entreguei ao jogo, fiz estratégias e vivi intensamente. Dei a cara a tapa nas provas. Errei em algumas, acertei em outras. Os semi-finalistas são extremamente fortes e qualquer um será merecedor. Mas me considero muito merecedora porque me vejo no mesmo nível dos demais”, frisa.

Paula segura uma barata de Madagascar antes de comer — Foto: Globo

Paula considera que o jogo mudou a partir da junção das tribos em uma só: Jandaia. “Não me senti ameaçada. Encarei aquilo como uma oportunidade”, afirma ela. A mineira a união das equipes como oportunidade para ter aliados novos, de mostrar quem está disposto a jogar de verdade, tentar se salvar e dar o melhor nas provas.

Tribos Carcará e Calango se juntam e formam a Tribo Jandaia

Tribos Carcará e Calango se juntam e formam a Tribo Jandaia

“Achei interessante e muito necessária para o jogo essa junção”, acrescenta.

Quando questionada sobre o desafio mais difícil, ela lembrou da Prova da Comida. Paula explica que tinha preparado o psicológico dela para tal experiência.

“Mas eu jamais imaginaria que teria coragem para comer uma barata viva. Mas eu queria, sim, viver esse momento. A minha experiência no programa não seria completa sem a prova mais icônica”, pontua.

Reveja o momento em que Paula e outros competidores comeram baratas de Madagascar:

Participantes comem baratas vivas na Prova da Comida

Participantes comem baratas vivas na Prova da Comida

Já em relação ao título…

“Mereço porque eu me entreguei de corpo e alma. Eu tive bom desempenho em provas e consegui contribuir com a minha equipe. Quando as tribos se uniram, tentei jogar da melhor forma possível. E ganhei a prova mais icônica do programa (risos) e achei isso um máximo! Eu me superei e dei o meu melhor”, finaliza.

Assista ao décimo episódio do ‘No Limite’:



Fonte: Gshow