Série D: Treinador comemora dois anos de trabalho no mesmo clube


Fortaleza, CE, 29 (AFI) – No futebol brasileiro, o mercado de treinadores é muito movimentado. A falta de planejamento, e paciência das diretorias, aliadas à pressão da torcida fazem com que aconteçam muitas as mudanças nas comissões técnicas dos times. Enquanto isso, Raimundo Wagner, o Raimundinho, do Atlético Cearense, completou dois anos de trabalho no clube.

Desde 2019 a equipe é comandada por ele. O treinador expressou toda a sua felicidade em poder passar tanto tempo em um mesmo clube.

“Me sinto muito feliz, apesar que estou em uma profissão muito difícil, muito cobrada, muito exigida, eu penso que hoje no futebol brasileiro você conseguir passar dois anos em uma equipe é algo que você tem que valorizar. É um trabalho que em dois anos está começando a dar frutos, apesar das dificuldades, estou muito feliz por conseguir esses resultados para o clube”, disse.

SAÍDA POR EMPRÉSTIMO?

Um fato curioso nesse período, é que Raimundinho chegou a comandar outra equipe, o Iguatu, equipe do interior do Ceará. Porém, a ida dele foi por empréstimo, algo um tanto quanto inusitado para o mercado de treinadores. Após o período de empréstimo, Raimundinho retornou ao Atlético Cearense. Raimundo Wagner falou um pouco sobre o que faz o trabalho ser tão longevo.

“Eu acredito ser o conjunto da obra. Tanto a estrutura do clube, como nosso trabalho. Esse não é o primeiro clube que faço um trabalho tão extenso, teve também a equipe do Floresta. Mas tanto o nosso trabalho como o do clube, fez com que nós chegássemos a essas conquistas. Não tivemos títulos ainda, mas estamos tendo grandes resultados. No nosso primeiro ano, fomos vice-campeões da Taça Fares Lopes de 2019. Em 2020 fomos quinto colocado no geral do campeonato estadual e em 2021 fomos quarto colocado, disputando a semifinal com o Fortaleza que hoje é G4 no campeonato brasileiro”, disse.

O CONTRATO

O treinador concluiu falando sobre seu período de contrato.

“Acredito que juntou o útil ao agradável e nós estamos conseguindo fazer um grande trabalho e espero conseguir terminar o contrato com o clube que é de 3 anos”, concluiu.

OUTROS NOMES

Apesar de ser raridade, às vezes alguns nomes permanecem mais longevos. Caso de Renato Gaúcho, no Grêmio, que ficou três anos e seis meses no cargo. Outro trabalho que vem sendo bem desenvolvido é o de Guto Ferreira, que está há um ano e quatro meses no comando do Ceará.

SPORT: Zagueiro de origem, Chico se diz ‘confortável’ em jogar como lateral esquerdo: “Darei meu sangue em qualquer posição”

Confira também:





Fonte: Futebol Interior