Zica Assis, do Beleza Natural, conta como superou os desafios e conquistou o país


“Eu sempre falo para todo mundo que não trabalho com cabelo. Eu trabalho com autoestima pura”, diz Heloísa Assis, mais conhecida como Zica Assis, com orgulho ao definir o Beleza Natural. A sócia-fundadora da empresa é a prova de que a persistência e o amor pelo que faz são essenciais para o sucesso do negócio. 

A rede de salões especializados em cabelos crespos e ondulados, que tem 28 anos de existência, conta com 25 institutos e 10 quiosques distribuídos pelo Brasil. Além disso, são cerca de 1.500 colaboradores envolvidos e mais de 100 mil clientes fixas que mudaram a vida graças ao super relaxante – procedimento que proporciona o controle do volume dos fios, tornando-os mais maleáveis, brilhosos e definidos. 

O Beleza Natural também muda a vida dos colaboradores. “A maioria são mulheres, que cuidam de suas casas sozinhas, que lutam para conquistar espaço no mercado. A gente contrata com segundo grau, sem experiência e a gente forma essas jovens para que elas tenham uma oportunidade dentro do negócio. Para mim, é um orgulho, uma honra poder fazer isso, levar o Beleza Natural do jeito que gostamos de levar com respeito, carinho, dignidade não só para os clientes, mas também para os colaboradores”, detalha Zica. 

Zica Assis | Foto: acervo Beleza Natural

Ao iBahia, Zica Assis fala que tudo começou nos anos noventa em um pequeno salão de beleza localizado no quintal de uma casa alugada no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. Em pouco tempo, ela e os sócios – Leila Velez, Rogério Assis e Jair Conde – se surpreenderam com como a proposta do negócio foi ganhando o gosto do povo. 

“O salão abria 8h da manhã. E eu vi às 5h da manhã uma fila de pessoas esperando para serem atendidas. Isso para mim foi um marco muito grande. Depois, a gente conseguiu expandir e as pessoas agradeciam por ter outros locais mais perto delas para serem atendidas. Era tanta coisa linda que a gente ouvia que que meu Deus só fez a gente crescer cada vez mais e ir em frente”, conta Zica, ao ser questionada sobre um momento marcante da trajetória do seu negócio. 

O iBahia conversou com Zica Assis sobre o negócio, o cenário do empreendedorismo no Brasil e planos futuros. Confira: 

  • Empreender não é uma tarefa fácil em nenhum segmento. Quando você identificou que se interessava por essa área da beleza? E de fato começou a pensar no desenvolvimento fórmula de relaxamento para cabelos? 

Zica Assis: Comecei a trabalhar aos nove anos de idade e fui obrigada a cortar o meu cabelo para trabalhar na casa das pessoas. Eu tinha o cabelo black, muito armado e volumoso – ganhava concursos com meu cabelo – e me entristeceu ter que cortá-lo para trabalhar. Eu desenvolvi a fórmula porque eu queria entender o meu cabelo, quis fazer alguma coisa para ver meu cabelo era tão grosso, era tão armado e, principalmente, entender o porquê as pessoas não respeitavam o meu cabelo. Eu fui em busca, fui insistente em desenvolver meu produto. E eu vi que era uma necessidade que não era só minha, era de muitas mulheres também que não eram respeitadas com o cabelo assim. 

Zica e os sócios | Foto: acervo Beleza Natural
  • Quando vocês começaram não se tinha opções de produtos e tratamentos voltados para cabelos crespos e ondulados no mercado, o Beleza Natural foi muito inovador nesse sentido. Vocês tiveram alguma orientação de como conduzir o negócio, do que precisava fazer? 

Zica Assis:  Não. Eu morava em comunidade, trabalhava como empregada doméstica. Eu comecei a usar minha fórmula e na comunidade todo mundo queria saber o que eu passava no cabelo e isso me deu força para abrir o salão. 

O meu começo foi diferente, porque meus sócios entendiam da parte mais administrativa e eu do negócio, de cabelo. A gente não teve ajuda de ninguém no primeiro momento. Depois que começamos a crescer que buscamos nos capacitar, nos orientar para fazer tudo dentro da CLT, porque no início nem tinha isso de assinar carteira de pessoas que trabalhavam em salão de beleza e eu sempre quis tudo certinho. Tivemos orientação do Sebrae e da Endeavor (rede de apoio a empreendedores), que nos ajudam na expansão, porque a gente tem que ter controle de tudo (dos institutos, quiosques, quadro de funcionários e desenvolvimento dos mais de 50 produtos da linha). 

  •  Como você avalia a trajetória do negócio lá no início nos anos 90 até aqui? E o que acha que mais mudou no segmento do empreendedorismo? 

Zica Assis: Mudou muita coisa. Eu não tinha um exemplo a seguir, não tinha ninguém para me ajudar a abrir um negócio. Eu tive que convencer meu marido a vender o fusca táxi que era o único bem da família para investir no negócio. Hoje, tem não só eu e minha empresa como várias empresas que começaram lá de baixo e servem de exemplo. Tem muita gente que ajuda (nesse processo inicial), tem ongs, órgãos, que escutam sobre o seu negócio, a sua ideia, e te ajudam. Mas, eu digo que empreender no Brasil ainda é muito difícil, você tem ‘n’ coisas para deixar claro para esse país, são muitos impostos e coisas para pagar. A gente tem conhecimento hoje, mas cadê o incentivo? O dinheiro para investir?

Tive que ser muito insistente para poder contratar pessoal e fazer tudo dentro da lei. Eu sempre digo que se eu não tivesse uma equipe, um time muito forte junto comigo, eu não conseguiria. 

  • Como você enxerga isso de trabalhar com algo que muda a vida das pessoas? Já que trabalhar com autoestima vai muito além da aparência, mexe com vários pontos internos das pessoas. 

Zica Assis: Eu sempre falo para todo mundo eu não trabalho com cabelo, eu trabalho com autoestima pura. O nosso cabelo, para quem tem o cabelo crespo, black, é a nossa coroa, é a nossa identidade. Uma mulher quando ela tem a autoestima elevada ela se realiza,  não só cuida dela como cuida de todos a sua volta, ela irradia felicidade. E isso para mim é um orgulho, poder fazer isso, poder trabalhar com isso o dia inteiro. Poder ouvir histórias de mulheres que através do seu cabelo conseguiram levantar a autoestima, cuidar dos seus filhos, dar uma vida melhor para mãe, filho, marido, cuidar do seu negócio, que muitas delas conseguiram montar o seu negócio, tudo isso por causa de autoestima. Para mim é radiante demais. 

Isso (ser transformada pela autoestima) aconteceu comigo. Eu era triste na minha adolescência porque eu não podia ter o cabelo que eu queria e quando tomei a decisão de cuidar de mim irradiei isso para todo mundo. Perto de mim ninguém fica triste não e vamos em frente. 

*O Beleza Natural tem um canal de comunicação com os clientes e recebe várias mensagens sobre como o tratamento mudou a vida delas. 

Zica e uma parte do seu time de colaboradoras | Foto: acervo Beleza Natural
  •  O que você diria para quem quer abrir um negócio? 

Zica Assis: Hoje, eu vejo o cenário (para empreender) que tem que ter muita garra, muita vontade de fazer, procurar muita informação sobre tudo, avaliar ‘será que dá para eu enfrentar tudo isso?’, e procurar ajuda, se cercar de pessoas boas, profissionais que entendam de várias coisas ao mesmo tempo para que você possa até ser orientado por eles. Tem bancos também que ajudam com essa parte do dinheiro, do investimento.

É preciso acreditar no negócio e saber que aquilo ali é a sua paixão. Até hoje eu começo a salivar ao falar do meu negócio, porque é paixão dentro do coração mesmo para poder levar tudo isso a frente e é assim que eu acho que se consegue.  

  •  O que te motiva nos negócios? E quais são as suas referências profissionais?

Zica Assis: Sempre falo que inspiração para mim é conquistar esse mundo. Eu quero conquistar esse mundo com autoestima, com beleza para várias mulheres mesmo. Como profissional, eu digo que quero irradiar cada vez mais o meu time para que consiga levar isso adiante eu estando aqui ou não. A gente tem que ser líder e líder só consegue ensinar alguma coisa para sua equipe pelo exemplo. E eu quero deixar aqui esse marco de levar essa autoestima para as pessoas com carinho, com respeito, porque eu digo que colocar a mão na cabeça das pessoas não é somente fazer um cabelo, é respeito, é um carinho, uma dignidade enorme, porque a gente ta mexendo com pessoas, com vidas. 

No começo, sinceramente eu não tinha referência não. Não tinha ninguém para me inspirar, para eu olhar e falar assim: “nossa, eu vou seguir”. Mas, depois com o tempo, eu conheci essa pessoa que eu sou apaixonada que é a Luiza Trajano. Ela se tornou assim uma amiga para mim e é um exemplo de mulher lutadora, vencedora, que cativa muita gente. Hoje, tem várias pessoas que tive a oportunidade de conhecer que me inspiram cada vez mais para que eu vá muito longe. 

  • Prêmios, inclusão na lista das 10 Mulheres de Negócios Mais Poderosas do Brasil, da Revista Forbes, e escolhida como empreendedora do ano pelo Estadão. Quando você começou imaginava que sua determinação te levaria tão longe? E o que Zica ainda almeja alcançar?

Zica Assis: Nunca pensei não, para mim é uma honra muito grande receber prêmios. Eu digo sempre que fiz o meu dever de casa, cuidei do meu negócio, estou há 28 anos dentro do meu negócio, sem descanso, formando meu time e mostrando que isso vale a pena. E prêmio é mérito de todo um time que estava comigo, porque ninguém faz nada sozinho. Se eu estivesse sozinha não conseguiria chegar onde cheguei, então cerque-se de pessoas que você consegue passar o seu sonho, que é valoroso, que vale a pena e ai você recebe prêmios grandiosos. 

Eu acho que sempre tem alguma coisa. Não posso nem dizer aqui agora, mas eu ainda tenho tanta coisa a conquistar. Cada dia você pensa em uma coisa, cada ano você pensa em melhorar.





Fonte: iBahia