Confira dicas para combater o ressecamento da pele no inverno



A primeira parte do corpo a sentir o impacto dos dias frios é a pele. Para combater o ressecamento e evitar aquele aspecto craquelado é imprescindível turbinar a hidratação.A regra número um para sair bem desse período de hibernação é evitar sabonetes agressivos e banhos prolongados e quentes, que podem piorar o quadro de desidratação e comprometer a barreira de proteção da pele. “Os syndets (sabonetes com pH entre 5,5 e 7) têm bom efeito detergente e provocam menos irritação”, diz o dermatologista Victor Bechara, do Rio de Janeiro e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).“Pode ser uma boa época para testar o cleansing oil como alternativa na hora da limpeza”, sugere a dermatologista Roberta Zaffari Townsend, de São Paulo. Hidratantes com ativos clássicos também são bem-vindos para o corpo e o rosto. “Como pantenol, ureia, ceramidas e ácido hialurônico. Mesmo peles oleosas devem ser hidratadas”, afirma Victor.

A temporada também exige algumas trocas. Aposte em cosméticos densos e deixe os que possuem características de gel para os dias quentes. “Vale também intercalar cremes com texturas diferentes para não sobrecarregar a derme”, sugere Roberta. A função dos cremes é repor a água. “Já um óleo facial ou corporal, por exemplo, cria uma barreira de proteção para evitar a perda dessa água. Por isso, quando este item está presente na rotina de skincare é indicado usá-lo após o hidratante”, emenda a dermatologista.

A esfoliação elimina células mortas e prepara o terreno para os passos seguintes de cuidado com a pele, como a aplicação de ácidos. Porém, em condições climáticas frias, é melhor diminuir a frequência para evitar o risco de sensibilização. “Existe uma recomendação geral de fazer esfoliação uma vez por semana. Mas, na prática, não se consegue ter uma fórmula tão precisa. Esfoliar além do necessário pode deixar a pele ainda mais seca”, alerta Roberta. Já o uso de máscaras nutritivas e hidratantes é bem interessante para quem precisa de hidratação extra — tanto do rosto, como de lábios e de pálpebras — , uma vez por semana ou a cada 15 dias. Para o corpo, mais especificamente cotovelos, joelhos e pernas, o dermatologista Igor Manhães, do Rio, indica um reforço ainda maior: “São áreas normalmente já ressecadas. Recomendo a aplicação de produtos à base de ureia, duas vezes por dia”.

E vale a pena substituir o sérum pelo creme hidratante? “Quem tem pele seca também pode usar sérum. No entanto, nesse período, em que a cútis sofre com ressecamento, o sérum deve otimizar a ação do creme hidratante e não ser usado sozinho”, avisa a dermatologista Claudia Marçal, membro da SBD e da Academia Americana de Dermatologia. “No caso de usar os dois produtos, o sérum deve ser aplicado anteriormente ao creme”, continua ela. Há séruns que possuem ativos hidratantes e essas fórmulas têm capacidade de formar um filme na pele, evitando a perda de água. Já os antioxidantes sempre têm espaço no nécessaire de inverno. “Aposte em produtos enriquecidos com vitamina C estabilizada, vitamina E e resveratrol”, recomenda Victor.

Importante lembrar: é fundamental usar filtro solar de amplo espectro, com proteção contra as radiações UVB e UVA e, se possível, contra o calor (infravermelho) e luz visível (sobretudo azul-violeta), todos os dias, com FPS 50 mínimo, principalmente para quem sofre de melasma. “Danos solares independem de estar sol ou não, já que o mormaço também queima. Além disso, já ficou comprovado que a exposição à radiação não necessariamente tem relação com a percepção ou não da presença de sol”, conclui Roberta.





Fonte: iBahia