Globo Repórter conta história de jovens do Nordeste de Amaralina



Salvador é um caldeirão cultural e quem chega por aqui pode perceber isso facilmente. E o que não falta nesta capital são talentos que, com oportunidades, voam longe. Essas oportunidades e histórias de gente que teve a vida transformada pela arte e o esporte vão ser assunto do Globo Repórter desta sexta-feira (13). 

A produção especial vai apresentar ao Brasil os jovens que integram o projeto Favellê Music, idealizado pelo percussionista e fundador do Quabales, Marivaldo Santos. A reportagem será a primeira do ano da Rede Bahia no Globo Repórter e marca a estreia de Camila Marinho no programa. Camila fez dupla com o cinegrafista Júlio César na condução da narrativa, que teve coordenação de Ana Luiza Carvalho. 

“Estrear no Globo Repórter dando voz a jovens da periferia é como se a oportunidade deles chegasse junto com a minha. É uma faz primeira apresentação em conjunto. Me sinto muito orgulhosa de poder mostrar para o Brasil a força da comunidade baiana, esse celeiro musical e artístico que só precisa de um olhar mais atento”, afirma Camila. 

Criado no ano passado, o projeto possibilita aos artistas a produção de uma música com videoclipe. De acordo com o percussionista, a iniciativa nasceu no Nordeste de Amaralina, mas não se restringe apenas ao bairro. Marivaldo tem planos grandiosos para o coletivo, inclusive de rodar todo o país. 

“Até o final do ano vou lançar oficialmente o Favellê e um dos principais aprendizados que tive na pandemia é de que nunca estamos sozinhos. Com esse projeto, quero promover a união entre as favelas. Nosso propósito é que os nossos artistas possam se sustentar a partir da arte e, futuramente, possamos mostrar todos esses profissionais que estão somente esperando por uma oportunidade”, conta o idealizador.

“Produzir para o Globo Repórter é sempre um desafio, pois estamos falando do programa de reportagem mais tradicional e importante da TV brasileira. Contar histórias da Bahia no Globo repórter nos enche de satisfação e orgulho”, diz o diretor de Conteúdo da Rede Bahia, Eurico Meira da costa. 





Fonte: iBahia