História: 5 piores ditadores da Ásia


Nos últimos dois anos, muitos dos ditadores do mundo morreram ou foram depostos. Alguns são novos na cena, enquanto outros estão no poder há mais de uma década.

Kim Jong-un

Seu pai, Kim Jong-il, morreu em dezembro de 2011, e o filho mais novo, Kim Jong-un, assumiu as rédeas da Coreia do Norte.

Alguns observadores esperavam que o Kim mais jovem, que foi educado na Suíça, pudesse romper com o estilo de liderança paranoico de seu pai, que brandia armas nucleares, mas até agora ele parece ter saído do velho bloco.

Entre as “realizações” de Kim Jong-un até agora estão o bombardeio de Yeonpyeong, na Coreia do Sul; o naufrágio do navio sul-coreano Cheonan, que matou 46 marinheiros; e a continuação dos campos de trabalho político de seu pai, que se acredita conterem cerca de 200.000 infelizes almas.

Kim, o mais jovem, também mostrou um pouco de criatividade sádica ao punir um oficial norte-coreano acusado de beber álcool durante o período oficial de luto por Kim Jong-il. De acordo com relatos da mídia, o oficial foi executado por tiro de morteiro.

Bashar al-Assad

Bashar al-Assad assumiu a presidência da Síria em 2000, quando seu pai morreu após um reinado de 30 anos. Apresentado como “A Esperança”, o jovem al-Assad acabou se revelando tudo menos um reformador.

Ele concorreu sem oposição nas eleições presidenciais de 2007, e sua polícia secreta (a Mukhabarat ) rotineiramente desapareceu, torturou e matou ativistas políticos.

Desde janeiro de 2011, o exército sírio e os serviços de segurança têm usado tanques e foguetes contra membros da oposição síria, bem como civis comuns.

Mahmoud Ahmadinejad

Mahmoud Ahmadinejad ou o líder supremo aiatolá Khameini devem ser listados aqui como o ditador do Irã, mas entre os dois, eles certamente estão oprimindo o povo de uma das civilizações mais antigas do mundo.

Ahmadinejad quase certamente roubou as eleições presidenciais de 2009 e, em seguida, esmagou os manifestantes que saíram nas ruas durante a fracassada Revolução Verde.

Entre 40 e 70 pessoas foram mortas e cerca de 4.000 presas por protestarem contra os resultados eleitorais fraudados.

Sob o governo de Ahmadinejad, de acordo com a Human Rights Watch, “o respeito pelos direitos humanos básicos no Irã, especialmente a liberdade de expressão e reunião, se deteriorou em 2006.

O governo rotineiramente tortura e maltrata os dissidentes detidos, inclusive por meio de confinamento solitário prolongado”.

Opositores do governo enfrentam assédio da milícia Basij, bem como da polícia secreta. Tortura e maus-tratos são rotina para prisioneiros políticos, especialmente na horrível Prisão de Evin, perto de Teerã.

Nursultan Nazarbayev

Nursultan Nazarbayev foi o primeiro e único presidente do Cazaquistão desde 1990. A nação da Ásia Central tornou-se independente da União Soviética em 1991.

Ao longo de seu reinado, Nazarbayev foi acusado de corrupção e abusos dos direitos humanos. Suas contas bancárias pessoais detêm mais de US$ 1 bilhão.

De acordo com relatórios da Amnistia Internacional e do Departamento de Estado dos EUA, os adversários políticos de Nazarbayev acabam frequentemente na prisão, em condições terríveis, ou mesmo mortos a tiros no deserto. O tráfico de pessoas também está desenfreado no país.

O presidente Nazarbayev deve aprovar qualquer mudança na Constituição do Cazaquistão. Ele controla pessoalmente o judiciário, os militares e as forças de segurança interna.

Um artigo de 2011 do New York Times alegou que o governo do Cazaquistão pagou think tanks americanos para divulgar ” relatórios elogiosos sobre o país “.

O idoso Nazarbayev pode ( ou não ) liberar seu controle do poder em breve.

Islam Karimov

Como Nursultan Nazarbayev no vizinho Cazaquistão, Islam Karimov governa o Uzbequistão desde antes de sua independência da União Soviética – e ele parece compartilhar o estilo de governo de Joseph Stalin.

Seu mandato deveria ter terminado em 1996, mas o povo do Uzbequistão generosamente concordou em deixá-lo continuar como presidente por 99,6% de votos “sim”.

Desde então, Karimov graciosamente se permitiu ser reeleito em 2000, 2007 e novamente em 2012, desafiando a Constituição do Uzbequistão.

Dada sua tendência para ferver dissidentes vivos, não é de admirar que poucas pessoas ousem protestar. Mesmo assim, incidentes como o massacre de Andijan devem tê-lo tornado menos do que amado por parte da população uzbeque.

Karimov, que morreu em 2 de setembro de 2016, de falência de múltiplos órgãos secundária a um grave derrame, encerrando uma regra implacável de décadas, foi sucedido por Shavkat Mirziyoyev.

Não deixe de ler também – Ditadura Militar de 1964: o que você sabe sobre esse evento?

Leia Também:

Está “bombando” na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br

Fonte: Notícias Concursos